domingo, 17 de junho de 2012

PROFECIAS FALSAMENTE ATRIBUÍDAS A SÃO MALAQUIAS








A profecia atribuída ao santo que viveu entre 1094 (ou 1095) a 1148 é falsa, como veremos.



Antes é bom situarmos a história para os que não conhecem.

São Malaquias nasceu na Irlanda em 1094 ou 1095 (a data é incerta). Era de origem nobre. Ainda novo tornou-se abade de Armagh e foi nomeado Arcebispo de Armagh em 1132. Fez muitos milagres e profetizou que a Irlanda seria afligida pela Inglaterra e que ao ficar livre da mesma, seria ela de grande importância importante para que a fé voltasse à Inglaterra. Também anunciou o dia exato de sua morte, como afirma São Bernardo, que foi em 2 de novembro de 1148. Foi canonizado em 1190 pelo Papa Clemente III.



Fonte: - DIGITUS DEI
http://www.digitusdei.com.br/2010/11/profecia-de-sao-malaquias-e-apocrifa.html



É atribuída a ele a famosa profecia sobre os Papas que lista 111 divisas em latim, correspondente a 111 pontificados a partir de Celestino II. São lemas que seguiriam os fatos de cada pontificado. Para tristeza de muitos e alegria de outros ela é apócrifa!



Para começar a tal "profecia" não foi publicada até 1595. Foi um monge beneditino que a incluiu em uma obra em latim (Lignum vitae, ornamentum et decor Ecclesiae, Veneza) em 1595. O monge chamado Arnaldo Wion não fez questão nem de dizer onde tinha encontrado, onde ficavam os originais e que provas tinha para confirmar sua veracidade. Apenas escreveu: São Malaquias "passa por ter escrito alguns opúsculos, mas dele não conheço mais do que uma profecia sobre os soberanos pontífices. Como é breve e não foi ainda impressa, a reproduzo aqui para satisfazer o desejo de muitos." Seu comentário sobre a profecia foi só isso. O próprio Wion se dizia "profeta".


O pobre monge deixou evidências de sua mentira (ou seria fruto do seu inconsciente?). O monge Arnaldo buscou as informações dos papados passados em historiadores da época, o que não seria uma tarefa tão difícil.


SÃO MALAQUIAS
Vejamos, por exemplo, sua cópia ao historiador Panvirini (ou Panvínio). Panvirini escreveu que Eugênio IV pertencia à ordem dos Celestinos, o que era errado, pois não foi celestino, mas agostiniano. Na profecia o monge copia também o erro: "Lupa celestina" que atribuiu ao Papa Eugênio IV.


Panvirini tinha afirmado que João XXII era filho de sapateiro chamado "Ossa". Outro erro, pois, na verdade, o pai de João XXII não era sapateiro e nem se chamava Ossa, simplesmente pertencia à família Duesse (ou D'Heisse). Mais uma vez o monge copiou um erro: "de suture Osseo" (do sapateiro Ossa) atribuindo ao Papa João XXII.

Outra evidência deixada pelo monge Arnaldo foi que do pontificado de Celestino II (1143-1144 - primeiro da lista) até Gregório XIV (1590-1591 - provavelmente a "profecia" foi elaborada por essa época) os breves lemas são bem nítidos para o reconhecimento do Vigário de Cristo, como nome de família, de batismo, do título cardinalício e escudo de armas, enquanto em diante são cheio de enigmas, podendo ser aplicadas a qualquer outro Papa, muito subjetivos, ou seja, permitindo várias interpretações, mas não um reconhecimento objetivo como se faria com as anteriores. Uma forma esperta para fazer sua farsa sobreviver tanto tempo.

A Eciclopedia Cattolica, editada na Cidade do Vaticano em 1951, diz: “O caráter apócrifo resulta do exame da própria profecia, que deve ter sido escrita apenas alguns anos antes de sua publicação. Com efeito, de Celestino II [1143-1144 — primeiro da lista] até Gregório XIV os breves dísticos aplicados aos pontífices estão em relação com o brasão, ou com o nome da família, ou com o nome de batismo, ou com o título cardinalício ou com o lugar de origem do papa. De Gregório XIV em diante, pelo contrário, os dísticos tornam-se enigmáticos, e se alguns são apropriados, a maior parte permanece envolta em grande incerteza, muitos são absolutamente fúteis e só à força se deixam relacionar com a história real (cfr. Pastor)” (op. cit., vol. VII, col. 1885).

Em a "Historia de la Iglesia Católica" há a repetição dos mesmos argumentos: “Devem ter sido compostas [as ditas profecias] por volta de 1590 por um falsário anônimo. Daí que os 74 papas anteriores a essa data estejam bem caracterizados, atendendo geralmente ao lugar de nascimento, à família, ao brasão, etc. Os dísticos seguintes são vagos e imprecisos, embora não se possa negar o fortuito acerto em alguns casos [...]; porém, a maioria não tem conexão alguma com o interessado, ou são tão gerais que se poderiam aplicar a qualquer um” (op. cit., Ricardo García-Villoslada, S. J., Madrid, 1976, vol. II, p. 432).

São Bernardo escreveu uma biografia sobre São Malaquias e não fez nenhuma menção sobre a suposta profecia. Seria algo esperado já que era seu amigo íntimo e São Malaquias viveu seus últimos anos no mosteiro dele, em Claraval.

Há ainda os desesperados que fazem um esforço muito grande para encaixar os lemas nos referentes Papas depois de Gregório XIV. Desses só nos resta rir.

Postar um comentário

Compartilhar

 
  •  
    Ocorreu um erro neste gadget

    FAZER PEDIDO AQUI

    MAIS OUTRA NOVIDADE!
    Já está em andamento o segundo volume do
    NDICE DAS MENTIRAS CONTRA A IGREJA CATÓLICA"

    ROLE O BANNER E CLIQUE NO ASSUNTO DESEJADO

    >
    > >