TRADUZIR

terça-feira, 10 de abril de 2018

O "STROMATA" OU "MISCELÂNEAS"

De Clemente de Alexandria
Livro IV
CAPÍTULO I - ORDEM DO CONTEÚDO.

Segue-se, penso eu, que devo tratar do martírio e de quem é o homem perfeito. Com estes pontos devem ser incluídos o que segue de acordo com as exigências dos pontos a serem falados, e como ambos os vínculos e livres devem igualmente filosofar, seja homem ou mulher no sexo. E na continuação, depois de terminar o que deve ser dito sobre fé e indagação, estabeleceremos o departamento de símbolos; de modo que, concluindo superficialmente o discurso sobre a ética, exporemos a vantagem que os gregos receberam da filosofia bárbara. Depois de qual esboço, a breve explicação das Escrituras, tanto contra os gregos quanto contra os judeus, será apresentada, e quaisquer que sejam os pontos que não pudemos adotar nas Miscelâneas anteriores (através do respeito necessariamente à multiplicidade de assuntos), de acordo com as Escrituras. início do poema, propondo terminá-los em um comentário. Além desses pontos, depois de concluir o esboço, tanto quanto pudermos de acordo com o que propomos, devemos dar conta das doutrinas físicas dos gregos e dos bárbaros, respeitando princípios elementares, na medida em que suas opiniões chegaram até nós e argumentam contra os principais pontos de vista excogitados pelos filósofos.

Cairá naturalmente após estes, após uma visão superficial da teologia, discutir as opiniões proferidas a respeito da profecia; de modo que, tendo demonstrado que as Escrituras que acreditamos são válidas a partir de sua autoridade onipotente, seremos capazes de examiná-las consecutivamente, e mostrar a todas as heresias um Deus e um Senhor Onipotente para ser verdadeiramente pregado pela lei e pelo mundo. profetas e, além disso, pelo abençoado Evangelho. Muitas contradições contra os heterodoxos nos aguardam enquanto tentamos, por escrito, eliminar a força das alegações feitas por eles e persuadi-los contra sua vontade, provando pelas próprias Escrituras.

Ao completar, então, todo o que propomos nos comentários, sobre o qual, se o Espírito quiser, nós ministramos à necessidade urgente (pois é extremamente necessário, antes de chegar à verdade, abraçar o que deve ser dito. por prefácio), nos dirigiremos à verdadeira ciência gnóstica da natureza, recebendo iniciação nos mistérios menores diante do maior; de modo que nada pode estar no caminho da verdadeira declaração divina das coisas sagradas, os assuntos que requerem detalhes preliminares e declarações sendo esclarecidos, e esboçados de antemão. A ciência da natureza, então, ou melhor, a observação, contida na tradição gnóstica de acordo com a regra da verdade, depende da discussão concernente à cosmogonia, ascendendo daí ao departamento de teologia. De onde, então, começaremos nossa conta do que é transmitido, com a criação como relatada pelos profetas, introduzindo também os princípios do heterodoxo, e nos esforçando ao máximo para confundi-los. Mas será escrito se Deus quiser e inspirar; e agora devemos prosseguir para o que propusemos e completar o discurso sobre ética.

CAPÍTULO II - O SENTIDO DO NOME STROMATA OU MISCELÂNEAS.

Que essas nossas notas, como já dissemos muitas vezes em favor daqueles que as consultam descuidada e desatenciosamente, sejam de caráter variado - e como o próprio nome indica, remendadas - passando constantemente de uma coisa para outra e a série de discussões insinuando uma coisa e demonstrando outra. "Para aqueles que procuram ouro", diz Heráclito, "cavar muita terra e encontrar pouco ouro". Mas aqueles que são da verdadeira raça de ouro, na mineração do que é aliado a eles, encontrarão o muito em pouco. Pois a palavra encontrará alguém para entendê-lo. As Miscelâneas de notas contribuem, então, para a lembrança e expressão da verdade no caso daquele que é capaz de investigar com razão.

E você deve processar, além desses, outros trabalhos e pesquisas; já que, no caso de pessoas que estão partindo em uma estrada com a qual não estão familiarizadas, basta apenas apontar a direção. Depois disso, eles devem andar e descobrir o resto por si mesmos. Como dizem, quando certa vez um certo escravo perguntou ao oráculo o que ele deveria fazer para agradar seu mestre, a sacerdotisa pitonista respondeu: "Você encontrará se procurar". É realmente uma questão difícil, então, como se vê, descobrir o bem latente; desde que "antes da virtude é colocado o esforço, e longo e íngreme é o caminho para ele, e áspero no início; mas quando o cume é alcançado, então é fácil, embora difícil [antes]."

"Para estreito", na verdade, "e estreito é o caminho" do Senhor. E é para o "violento que o reino de Deus pertence".

Daí, "busque e encontrará", segurando-se na verdadeira estrada real e não se desviando. Como poderíamos esperar, então, o poder gerativo das sementes das doutrinas compreendidas neste tratado é grande no pequeno espaço, como a "erva universal do campo", como diz a Escritura. Assim, os Miscellanies de notas têm seu título próprio, maravilhosamente como aquela antiga oblação abatida de todos os tipos de coisas de que Sófocles escreve: "Havia um velo de ovelha, e havia uma vinha, E uma libação e uvas bem armazenadas; E misturaram-se frutas de todos os tipos, e a gordura da azeitona, e o mais curioso trabalho de cera da abelha amarela.

Assim como o nosso Stromata, de acordo com o lavrador do poeta cômico Timócles, produz "figos, azeitonas, figos secos, mel, como de um campo totalmente fecundo"; por causa de que exuberância ele acrescenta: "Tu falas de uma grinalda de colheita não de criação".

Pois os atenienses costumavam chorar: "A grinalda da colheita traz figos e pães gordurosos, e mel em um copo, e azeite de oliva para ungir você".

Devemos então, muitas vezes, como em peneirar as peneiras, sacudir e agitar esta grande mistura de sementes, a fim de separar o trigo.

CAPÍTULO III - A VERDADEIRA EXCELÊNCIA DO HOMEM.

A maioria dos homens tem uma disposição instável e desatenta, como a natureza das tempestades. "Desejo de fé fez muitas coisas boas e fé coisas más." E Epicharmus diz: "Não se esqueça de exercer incredulidade; pois são os tendões da alma". Agora, descrer da verdade traz a morte, a acreditar na vida; e, novamente, acreditar na mentira e não acreditar nas verdadeiras causas da destruição. O mesmo acontece com o autocontrole e a licenciosidade. Restringir-se a fazer o bem é o trabalho do vício; mas evitar o mal é o começo da salvação. Assim, o sábado, pela abstinência dos males, parece indicar autocontrole. E o que, eu pergunto, é em que o homem difere das bestas, e os anjos de Deus, por outro lado, são mais sábios do que ele? "Tu o fazes um pouco menor que os anjos." Pois alguns não interpretam esta Escritura do Senhor, embora Ele também tivesse carne, mas do homem perfeito e do gnóstico, inferior em comparação com os anjos no tempo, e em razão da vestimenta [do corpo]. Eu chamo então sabedoria nada além de ciência, já que a vida não difere da vida. Pois viver é comum à natureza mortal, isto é, ao homem, àquilo a que foi concedida a imortalidade; como também a faculdade de contemplação e de autocontrole, sendo um dos dois mais excelente. Neste terreno, Pitágoras parece-me ter dito que só Deus é sábio, uma vez que também o apóstolo escreve na Epístola aos Romanos: "Para a obediência da fé entre todas as nações, sendo dado a conhecer ao único Deus sábio através de Jesus Cristo " e que ele mesmo era filósofo, por causa de sua amizade com Deus. Assim, é dito: "Deus falou com Moisés como amigo de um amigo". s Que, então, o que é verdadeiro sendo claro para Deus, gera imediatamente a verdade. E o gnóstico ama a verdade. "Vá", diz-se, "à formiga, tu, preguiçoso, e seja o discípulo da abelha"; assim fala Salomão. Pois se há uma função que pertence à natureza peculiar de cada criatura, tanto do boi como do cavalo e do cão, o que diremos é a função peculiar do homem? Ele é como, parece-me, o centauro, uma invenção da Tessália, composta de uma parte racional e irracional, de alma e corpo. Bem, o corpo enche o chão e corre para ele; mas a alma é elevada a Deus: treinada na verdadeira filosofia, ela acelera para os seus semelhantes, afastando-se das concupiscências do corpo e, além disso, do trabalho e do medo, embora tenhamos mostrado que a paciência e o medo pertencem à bom homem.

Pois se "pela lei é o conhecimento do pecado", como os que alegam que menosprezam a lei, e "até a lei, o pecado existia no mundo"; contudo, "sem a lei, o pecado estava morto", nos opomos a eles. Pois quando você tira a causa do medo, o pecado, você tira o medo; e muito mais, punição, quando você tirou aquilo que dá origem à luxúria. "Porque a lei não é feita para o homem justo", diz a Escritura. Bem, então, diz Heráclito, "eles não teriam conhecido o nome da Justiça se essas coisas não tivessem existido". E Sócrates diz: "que a lei não foi feita por causa do bem". Mas os cavillers não sabiam nem isso, como diz o apóstolo, "que quem ama o seu irmão não faz o mal"; para isso, "Não matarás, não cometerás adultério, não roubarás; e se houver outro mandamento, é compreendido na palavra: Amarás o teu próximo como a ti mesmo". Assim também é dito: "Amarás o Senhor teu Deus de todo o teu coração, e amarás o teu próximo como a ti mesmo". E "se aquele que ama o seu próximo não faz o mal", e se "todo o mandamento é compreendido nisto, o amor ao próximo", os mandamentos, ameaçando com medo, operam o amor, não o ódio. Portanto, a lei é produtiva da emoção do medo. "Para que a lei seja santa" e "espiritual", de acordo com o apóstolo. Devemos, então, como é apropriado, investigar a natureza do corpo e a essência da alma, apreender o fim de cada um e não encarar a morte como um mal. "Pois quando sois servos do pecado", diz o apóstolo, "estais livres da justiça. Que fruto tinha então naquelas coisas em que agora estás envergonhado? Para o fim dessas coisas é a morte. Mas agora, sendo libertos do pecado e tornados servos de Deus, vós tendes o teu fruto para a santidade e o fim da vida eterna, porque o salário do pecado é a morte, mas o dom de Deus é a vida eterna, por meio de Jesus Cristo nosso Senhor. A afirmação, então, pode ser arriscada, que se demonstrou que a morte é a comunhão da alma em estado de pecado com o corpo; e a vida a separação do pecado. E muitas são as estacas e valas de luxúria que nos impedem, e as covas de ira e raiva que devem ser superadas, e todas as maquinações que devemos evitar daqueles que conspiram contra nós - que não mais veriam o conhecimento de Deus. "através de um copo."

"A metade da virtude que Zeus, de longe, tira do homem, quando ele o reduz a um estado de escravidão."

Como escravos, a Escritura vê aqueles "sob o pecado" e "vendidos ao pecado", os amantes do prazer e do corpo; e bestas, em vez de homens, "aqueles que se tornaram como gado, cavalos, relinchando segundo as esposas de seus vizinhos". A licenciosa é "o asno lascivo", o cobiçoso é o "lobo selvagem" e o enganador é "uma serpente". A separação, portanto, da alma do corpo, feita por toda a vida, produz no filósofo entusiasmo gnóstico, de modo que ele é facilmente capaz de suportar a morte natural, que é a dissolução das cadeias que ligam a alma ao corpo. corpo. "Porque o mundo está crucificado para mim e eu para o mundo", diz o [apóstolo]; "e agora eu vivo, embora em carne e osso, como tendo minha conversa no céu."

CAPÍTULO IV - Os louvores do martírio.

Daí, como é razoável, o gnóstico, quando Galled, obedece facilmente, e entrega seu corpo àquele que pergunta; e, anteriormente, despojando-se das afeições desta carcaça, não insultando o tentador, mas sim, na minha opinião, treinando-o e convencendo-o - "De que honra e que extensão de riqueza caiu", como diz Empédocles, aqui para o futuro ele anda com mortais. Ele, na verdade, testemunha a si mesmo que é fiel e leal a Deus; e ao tentador, que em vão invejou aquele que é fiel pelo amor; e para o Senhor, da persuasão inspirada em referência à Sua doutrina, da qual ele não partirá por medo da morte; além disso, ele confirma também a verdade da pregação por seu ato, mostrando que Deus a quem ele tem é poderoso. Você vai se maravilhar com seu amor, que ele evidentemente mostra com gratidão, em se unir ao que é aliado a ele, e além disso por seu precioso sangue, envergonhando os incrédulos. Ele então evita negar a Cristo através do medo por causa do mandamento; nem ele vende a sua fé na esperança dos dons preparados, mas no amor ao Senhor ele alegremente se afastará desta vida; talvez dando graças tanto àquele que, por causa disso, deu a causa de sua partida, quanto àquele que lhe impôs o complô, por receber uma razão honrosa que ele mesmo não forneceu, por mostrar o que ele é, por sua paciência e por o Senhor em amor, pelo qual, mesmo antes de seu nascimento, ele foi manifestado ao Senhor, que conhecia a escolha do mártir. Com boa coragem, então, ele vai ao Senhor, seu amigo, por quem ele voluntariamente deu seu corpo, e, como seus juízes esperavam, sua alma, ouvindo de nosso Salvador as palavras de poesia: "Querido irmão", em razão de a semelhança de sua vida. Nós chamamos a perfeição do martírio, não porque o homem chega ao fim de sua vida como outros, mas porque ele exibiu o trabalho perfeito do amor. E os antigos elogiam a morte daqueles entre os gregos que morreram na guerra, não que eles aconselharam as pessoas a morrerem uma morte violenta, mas porque aquele que termina sua vida na guerra é libertado sem o pavor de morrer, separado do corpo sem experimentar sofrimento anterior ou ser enfraquecido em sua alma, como as pessoas que sofrem em doenças. Pois eles se separam em um estado de efeminação e desejam viver; e, portanto, eles não entregam a alma pura, mas levam consigo as suas concupiscências como pesos de chumbo; todos, exceto aqueles que foram conspícuos na virtude. Alguns morrem em batalha com suas luxúrias, não sendo de forma alguma diferentes do que teriam sido se tivessem sido desperdiçados por doenças.

Se a confissão a Deus é o martírio, cada alma que viveu puramente no conhecimento de Deus, que obedeceu aos mandamentos, é uma testemunha tanto da vida como da palavra, de qualquer maneira que possa ser libertada do corpo, - derramando a fé como sangue ao longo de toda a sua vida até a sua partida. Por exemplo, o Senhor diz no Evangelho: "Todo aquele que deixar pai, mãe ou irmãos", e assim por diante, "por causa do Evangelho e do meu nome", ele é abençoado; não indicando o martírio simples, mas o martírio gnóstico, como do homem que se conduziu de acordo com a regra do Evangelho, em amor ao Senhor (para o conhecimento do Nome e a compreensão do Evangelho apontam a gnosis, mas não a simples denominação), de modo a deixar seus parentes mundanos, riqueza e posses, a fim de levar uma vida livre de paixão.

"Mãe" significa figurativamente País e sustento; "pais" são as leis da política civil: que devem ser desprezadas, felizmente, pelo homem justo de grande alma; para ser amigo de Deus e obter a mão direita no lugar santo, como os apóstolos fizeram.

Então Heráclito diz: "Deuses e homens honram os que foram mortos em batalha"; e Platão no quinto livro da República escreve: "Dos que morrem no serviço militar, quem morre depois de ganhar renome, não diremos que ele é o chefe da raça de ouro? Com ​​certeza." Mas a corrida de ouro é com os deuses, que estão no céu, na esfera fixa, que principalmente detêm o comando na providência exercida para os homens. Agora, alguns dos hereges que compreenderam mal o Senhor têm ao mesmo tempo um amor ímpio e covarde pela vida; dizendo que o verdadeiro martírio é o conhecimento do único Deus verdadeiro (que também admitimos), e que o homem é um assassino de si mesmo e um suicida que faz confissão pela morte; e adicionando outros sofismas semelhantes de covardia. A estes nós responderemos no devido tempo; porque diferem de nós em relação aos primeiros princípios. Agora, nós também dizemos que aqueles que correram à morte (pois há alguns, não pertencendo a nós, mas compartilhando apenas o nome, que estão com pressa para se entregar, os pobres infelizes que morrem com ódio ao Criador) - - dizemos que nos banimos sem sermos mártires, apesar de serem punidos publicamente. Pois eles não preservam a marca característica de acreditar no martírio, na medida em que não conheceram o único Deus verdadeiro, mas entregaram-se a uma morte vã, como os gimnosofistas dos índios a fogo inútil.

Mas desde que estes falsamente nomeados calumniate o corpo, deixe-os aprender que o mecanismo harmonioso do corpo contribui para a compreensão que leva à bondade da natureza. Portanto, no terceiro livro da República, Platão, a quem eles apelam em voz alta como uma autoridade que deprecia a geração, diz: "que por causa da harmonia da alma, o cuidado deve ser tomado para o corpo", pelo qual, quem anuncia a proclamação da verdade, acha possível viver e viver bem. Pois é pelo caminho da vida e da saúde que aprendemos a gnose. Mas será que ele não pode avançar para a altura sem se ocupar com as coisas necessárias, e através delas fazer o que tende ao conhecimento, não escolher viver bem? Na vida, então, viver bem é garantido. E aquele que no corpo se dedicou a uma vida boa, está sendo enviado para o estado de imortalidade.

CAPÍTULO V - DA CONTEMPLAÇÃO DE DOR, POBREZA E OUTRAS COISAS EXTERNAS.

Os objetos aptos para admiração são os estóicos, que dizem que a alma não é afetada pelo corpo, nem pelo vício pela doença, nem pela virtude pela saúde; mas ambas as coisas, dizem eles, são indiferentes. E, de fato, Jó, pela superior continência e excelência de fé, quando se enriqueceu de pobre, de ser desonrado em honra, de desagradável e doente de ser saudável, é descrito como um bom exemplo, envergonhando o Tentador. , abençoando seu Criador; carregando o que veio em segundo lugar, como o primeiro, e mais claramente ensinando que é possível para o gnóstico fazer um excelente uso de todas as circunstâncias, E que realizações antigas são propostas como imagens para nossa correção, o apóstolo mostra, quando ele diz " Para que os meus laços em Cristo se manifestem em todo o palácio, e em todos os outros, e vários dos irmãos no Senhor, confiando nos meus laços, são muito mais corajosos para falar sem temor a palavra de Deus ”. - os testemunhos dos mártires são exemplos de conversão gloriosamente santificados. "Porque as coisas que as Escrituras falam foram escritas para nossa instrução, para que nós, com paciência e consolação das Escrituras, tenhamos a esperança da consolação." Quando a dor está presente, a alma parece declinar e considerar a liberação da dor presente uma coisa preciosa. Nesse momento, afrouxa os estudos, quando as outras virtudes também são negligenciadas. E, no entanto, não dizemos que é a própria virtude que sofre, pois a virtude não é afetada pela doença. Mas aquele que é participante de ambos, da virtude e da doença, é afligido pela pressão do último; e se aquele que ainda não alcançou o hábito de autodomínio não for homem de grande alma, está desolado; e a incapacidade de suportá-lo é equivalente a fugir dele.

O mesmo vale também no caso da pobreza. Pois isso obriga a alma a desistir das coisas necessárias, quero dizer contemplação e por pura impecabilidade, forçando-o, que não se dedicou totalmente a Deus em amor, a ocupar-se de provisões; como, novamente, a saúde e a abundância de coisas necessárias mantêm a alma livre e desimpedida, e capazes de fazer bom uso do que está à mão. "Pois", diz o apóstolo, "esses terão problemas na carne. Mas eu os poupo. Pois eu os tenho sem ansiedade, para decorar e assiduidade para o Senhor, sem distração."

Essas coisas, então, devem se abster, não por si mesmas, mas por causa do corpo; e o cuidado pelo corpo é exercido em prol da Alma, à qual ela se refere. Por isso, é necessário que o homem que vive como um gnóstico saiba o que é adequado. Como o fato de que o prazer não é uma coisa boa é admitido a partir do fato de que certos prazeres são maus, por essa razão, o bem parece mal e o mal é bom. E então, se nós escolhemos alguns prazeres e evitamos os outros, não é todo prazer que é uma coisa boa.

Da mesma forma, também, a mesma regra se aplica a dores, algumas das quais suportamos e outras a quem evitamos. Mas a escolha e a evitação são exercidas de acordo com o conhecimento; de modo que não é o prazer que é a coisa boa, mas o conhecimento pelo qual devemos escolher um prazer em um determinado momento e de certo tipo. Agora o mártir escolhe o prazer que existe em perspectiva através da dor presente. Se a dor é concebida como existindo na sede e o prazer em beber, a dor que precedeu se torna a causa eficiente do prazer. Mas o mal não pode ser a causa eficiente do bem. Nem uma só coisa, nem o outro mal. Simonides (como também Aristóteles) escreve, "que estar em boa saúde é a melhor coisa, e a segunda melhor coisa é ser bonito, e a terceira melhor coisa é ser rico sem trapacear."

E Theognis de Megara diz: "Você deve, para escapar da pobreza, atirar-se a si mesmo, ó Cyrnus das rochas íngremes para o mar profundo".

Por outro lado, Antiphanes, o poeta cômico, diz: "Plutus (Riqueza), quando se apoderou daqueles que enxergam melhor que os outros, os torna cegos". Agora, pelos poetas, ele é proclamado como cego desde o nascimento: "E trouxe-o cego que não viu o sol".

Diz a Euforia Chalcidiana: "Riquezas, então, e luxos extravagantes, eram para os homens o pior treinamento para a masculinidade".

Escreveu Eurípides em Alexandre: "E diz-se que Penúria alcançou a sabedoria pelo infortúnio; mas muita riqueza não capturará apenas Esparta, mas todas as cidades".

"Não é, portanto, a única moeda que os mortais têm, a que é prata branca ou dourada, mas a virtude também", como diz Sófocles.

CAPÍTULO VI - ALGUNS PONTOS NAS BEATITUDES.

Nosso santo Salvador aplicava a pobreza e as riquezas, e coisas semelhantes, tanto às coisas espirituais quanto aos objetos dos sentidos. Pois quando Ele disse: “Bem-aventurados os perseguidos por causa da justiça”. Ele claramente nos ensinou em todas as circunstâncias a procurar o mártir que, se é pobre por causa da justiça, testemunha que a justiça que ele ama é uma coisa boa. ; e se ele "tiver fome e sede de justiça", testifica que a justiça é a melhor coisa. Da mesma forma, aquele que chora e chora por causa da justiça, testifica da melhor lei que é bela. Assim como "aqueles que são perseguidos", assim também "aqueles que têm fome e sede" por causa da justiça, são chamados "abençoados" por Aquele que aprova o verdadeiro desejo, ao qual nem mesmo a fome pode dar um basta. E se "eles têm fome da própria justiça", eles são abençoados. "E abençoados são os pobres", seja "em espírito" ou em circunstâncias - isto é, por amor à justiça. Não são os pobres simplesmente, mas aqueles que desejaram tornar-se pobres por causa da justiça, que Ele declara abençoado - aqueles que desprezaram as honras deste mundo a fim de alcançar "o bem"; da mesma forma também aqueles que, pela castidade, tornaram-se graciosos em pessoa e caráter, e aqueles que são de nobreza e honrados, tendo por meio da justiça alcançado a adoção, e portanto "receberam o poder de se tornarem filhos de Deus" e pisar serpentes e escorpiões "e governar demônios e" o anfitrião do adversário ". E, em suma, as disciplinas do Senhor afastam a alma do corpo com prazer, mesmo que ela se afaste em sua remoção. "Porque aquele que ama a sua vida a perderá, e aquele que perde a sua vida a encontrará", se unirmos somente o que é mortal de nós com a imortalidade de Deus. É a vontade de Deus [que devemos alcançar] o conhecimento de Deus, que é a comunicação da imortalidade. Ele, portanto, que, de acordo com a palavra de arrependimento, sabe que sua vida é pecadora irá perdê-la - perdendo-a do pecado, do qual ela é arrancada; mas perdê-lo, vai encontrá-lo, de acordo com a obediência que vive novamente para a fé, mas morre para o pecado. Isso, então, é o que é "encontrar a vida", "conhecer a si mesmo".

A conversão, no entanto, que leva a coisas divinas, dizem os estóicos, é afetada por uma mudança, a alma sendo transformada em sabedoria. E Platão: "Na alma, voltando-se para o que é melhor, e uma mudança de um tipo de dia noturno". Agora, os filósofos também permitem ao bom homem uma saída da vida de acordo com a razão, no caso de alguém lhe privar de esforço ativo, de modo que a esperança de ação não seja mais deixada para ele. E o juiz que nos compele a negar a quem amamos, considero mostrar quem é e quem não é amigo de Deus. Nesse caso, não há motivo para sequer examinar o que se prefere - as ameaças do homem ou o amor de Deus. E a abstinência de atos viciosos é encontrada, de alguma forma, [para resultar] na diminuição e extinção de propensões viciosas, sua energia sendo destruída pela inação. E esta é a importância de "Vende o que tens, e dá aos pobres, e vem, segue-me" - isto é, segue o que é dito pelo Senhor. Alguns dizem que pelo que "tu tens" Ele designou as coisas na alma, de uma natureza não semelhante a ela, embora como estas são concedidas aos pobres elas não são capazes de dizer. Porque Deus dispensa a todos de acordo com o deserto, Sua distribuição sendo justa. Portanto, desprezando as posses que Deus distribuiu a ti em tua magnificência, obedeça ao que é dito por mim; pressa para a ascensão do Espírito, sendo não só justificada pela abstinência do que é mau, mas também também aperfeiçoada, pela beneficência cristã. Neste caso, Ele condenou o homem, que se gabou de ter cumprido as injunções da lei, de não amar o próximo; e é por beneficência que o amor que, de acordo com a escala ascendente gnóstica, é o Senhor do sábado, se proclama. Devemos então, de acordo com o meu ponto de vista, recorrer à palavra da salvação, nem do medo da punição nem da promessa de um presente, mas por causa do bem em si. Tais, como assim, estão à direita do santuário; mas aqueles que pensam que pelo dom do que é perecível eles receberão em troca o que pertence à imortalidade na parábola dos dois irmãos chamados "mercenários". E não há alguma luz jogada aqui na expressão "à semelhança e imagem", no fato de que alguns vivem de acordo com a semelhança de Cristo, enquanto aqueles que estão à esquerda vivem de acordo com sua imagem? Há então duas coisas procedentes da verdade, uma raiz debaixo de ambas - a escolha sendo, no entanto, não igual, ou melhor, a diferença que está na escolha não sendo igual. Escolher por meio de imitação difere, como me parece, da escolha daquele que escolhe de acordo com o conhecimento, pois aquilo que é posto em chamas difere do que é iluminado. Israel, então, é a luz da semelhança que está de acordo com a Escritura. Mas a imagem é outra coisa. O que significa a parábola de Lázaro, mostrando a imagem dos ricos e pobres? E o que dizer: "Nenhum homem pode servir a dois senhores, Deus e Mamon?" - o Senhor acalentando o amor ao dinheiro. Por exemplo, os cobiçosos, que foram convidados, responderam não ao convite para a ceia, não por possuírem propriedades, mas por seu desmedido afeto ao que possuíam. "As raposas", então, têm buracos. Ele chamou aqueles homens maus e terrestres que estão ocupados com a riqueza que é extraída e escavada do chão, raposas. Assim também, em referência a Herodes: “Vai dizer a essa raposa: Eis que expulso demônios e faço curas hoje e amanhã, e no terceiro dia serei aperfeiçoado”. Pois Ele aplicou o nome "aves do céu" àqueles que eram distintos dos outros pássaros - aqueles realmente puros, aqueles que têm o poder de voar para o conhecimento da Palavra celestial. Pois não somente riquezas, mas também honra, e casamento, e pobreza, tem dez mil cuidados para aquele que é impróprio para eles. E aqueles cuidados Ele indicou na parábola da semente quádrupla, quando Ele disse que "a semente da palavra que caiu aos espinhos" e sebes foi sufocada por eles, e não pôde produzir frutos. Portanto, é necessário aprender a fazer uso de todas as ocorrências, de modo que, por uma boa vida, de acordo com o conhecimento, seja treinado para o estado de vida eterna. Pois disse: "Vi os ímpios exaltados e elevados como os cedros do Líbano, e passei", diz a Escritura, "e eis que ele não estava; e eu o busquei, e o seu lugar não foi encontrado. Mantenham a inocência e olhai para a retidão, porque há um remanescente para o homem da paz. " Ele será aquele que crê sinceramente de todo o coração e é tranqüilo em toda a sua alma. "Para as pessoas diferentes me honrar com seus lábios, mas seu coração está longe do Senhor." "Eles abençoam com a boca, mas amaldiçoam em seus corações". "Amavam-no com a boca e mentiam para ele com a língua; mas o coração deles não era reto para com ele, e não eram fiéis ao seu pacto". Wherefore "os falsos lábios fiquem mudos, e o Senhor destrua a língua prepotente; os que dizem: Magnificaremos a nossa língua, e nossos lábios serão os nossos; quem é o Senhor sobre nós? Pela aflição do pobre e do gemido dos necessitados me levantarei agora, diz o Senhor, e o porei em segurança; falarei no seu caso. Pois é para os humildes que Cristo pertence, que não se exaltam contra o Seu rebanho. "Portanto, não guarde tesouros para si na terra, onde a traça e a ferrugem destroem, e ladrões invadem e roubam", diz o Senhor, em reprovação por acaso dos cobiçosos, e talvez também daqueles que estão simplesmente ansiosos e cheios. de cuidados, e aqueles também que satisfazem seus corpos. Para amores e doenças, e maus pensamentos "atravessam" a mente e o homem inteiro. Mas o nosso verdadeiro "tesouro" é onde está o que está aliado à nossa mente, uma vez que concede o poder comunicativo da justiça, mostrando que devemos atribuir ao hábito da nossa antiga conversa aquilo que adquirimos por meio dela e recorrer a Deus. implorando misericórdia. Ele é, na verdade, "a bolsa que não envelhece", as provisões da vida eterna, "o tesouro que não falha no céu". "Porque terei misericórdia de quem eu tiver misericórdia", diz o Senhor. E eles dizem essas coisas para aqueles que desejam ser pobres por causa da justiça. Pois eles ouviram no mandamento que "o caminho largo e largo leva à destruição, e muitos são os que entram por ela". Não é de qualquer outra coisa que a afirmação é feita, mas de devassidão, amor às mulheres e amor à glória e à ambição e paixões semelhantes. Pois assim Ele diz: "Louco, esta noite te pedirão a tua alma; e de quem serão essas coisas que preparaste?" E o mandamento é expresso nestas mesmas palavras: "Guardai-vos, pois, da cobiça. Pois a vida de um homem não consiste na abundância daquilo que ele possui. Pois que aproveita ao homem ganhar todo o o mundo, e perder sua própria alma? ou o que um homem deve dar em troca de sua alma? " "Por isso eu digo:" Não se preocupe com a sua vida, o que você deve comer; nem para o seu corpo, o que deve vestir. Para a sua vida é mais do que carne, e seu corpo de vestuário. " E novamente: "Pois vosso Pai sabe que necessitais de todas estas coisas". "Mas buscai primeiro o reino dos céus e sua justiça", porque estas são as grandes coisas, e as que são pequenas e pertencem a esta vida "serão acrescentadas a você". Ele não nos exorta claramente a seguir a vida gnóstica, e nos ordena a buscar a verdade em palavras e ações? Portanto, Cristo, que treina a alma, considera um rico, não por seus dons, mas por sua escolha. Diz-se, portanto, que Zaqueu, ou, segundo alguns, Mateus, o chefe dos publicanos, ao ouvir que o Senhor havia se dignado a vir a ele, disse: "Senhor, e se eu tiver tomado qualquer coisa por falsa acusação, Eu o restauro quatro vezes; " sobre o qual o Salvador disse: "O Filho do homem, ao chegar hoje, encontrou o que estava perdido". Novamente, ao ver os ricos lançados no tesouro de acordo com suas riquezas, e a viúva de duas moedas, Ele disse "que a viúva havia lançado mais do que todos eles", pois "eles contribuíram com a abundância deles, mas ela de sua destituição". " E porque Ele trouxe todas as coisas para a disciplina da alma, Ele disse: “Bem-aventurados os mansos, porque eles herdarão a terra”. E os mansos são aqueles que reprimiram a batalha da incredulidade na alma, a batalha da ira e da luxúria, e as outras formas que estão sujeitas a elas. E Ele elogia aqueles mansos por escolha, não por necessidade. Pois há com o Senhor recompensas e "muitas mansões", correspondentes à vida dos homens. "Qualquer que receber", diz Ele, "um profeta em nome de um profeta, receberá a recompensa de um profeta; e quem receber um justo em nome de um justo, receberá a recompensa de um justo; e quem receber um dos menores destes meus discípulos, não perderá sua recompensa ". E novamente, as diferenças de virtude de acordo com o mérito e as nobres recompensas, Ele indicou pelas horas desiguais em número; e, além disso, pela igual recompensa dada a cada um dos trabalhadores - isto é, a salvação, que se entende pela moeda de um centavo - Ele indicou a igualdade da justiça; e a diferença daqueles que Ele chamou, daqueles que trabalharam por porções desiguais de tempo. Trabalharão, portanto, de acordo com as mansões apropriadas de que tenham sido consideradas dignas como recompensas, sendo companheiros de trabalho na inefável administração e serviço. "Aqueles, então," diz Platão, "que parecem chamados a uma vida santa, são aqueles que, libertos e libertados daquelas localidades terrenas como das prisões, alcançaram a morada pura no alto." Em termos mais claros, ele expressa a mesma coisa: "Aqueles que, pela filosofia, foram suficientemente expurgados dessas coisas, vivem sem corpos inteiramente para sempre. Embora sejam envolvidos em certas formas; no caso de alguns, de ar e outros , de fogo." Ele acrescenta ainda: "E eles alcançam domicílios mais justos do que aqueles, o que não é fácil, nem há tempo suficiente para descrever agora". De onde, com razão, "bem-aventurados os que choram, porque serão consolados"; pois aqueles que se arrependeram de sua vida maligna anterior alcançarão o "chamado" ( klhsin ), pois este é o significado de ser consolado ( paraklhqhnai ). E existem dois estilos de penitentes. Aquilo que é mais comum é o medo pelo que é feito; mas o outro que é mais especial, a vergonha que o espírito sente em si mesmo, proveniente da consciência. Seja então, aqui ou em outro lugar (pois nenhum lugar é desprovido da beneficência de Deus), Ele novamente diz: "Bem-aventurados os misericordiosos, porque eles alcançarão misericórdia". E a misericórdia não é, como alguns filósofos imaginaram, dor por causa das calamidades alheias, mas algo bom, como dizem os profetas. Pois é dito: "Terei misericórdia e não sacrifício". E Ele quer dizer com o misericordioso, não somente aqueles que fazem atos de misericórdia, mas aqueles que desejam fazê-los, embora não sejam capazes; quem faz tanto quanto propósito está em causa. Às vezes desejamos, pelo presente do dinheiro ou pelo esforço pessoal, ter misericórdia, como ajudar alguém em falta, ou ajudar alguém que está doente, ou ficar do lado de alguém que está em qualquer emergência; e não são capazes nem da pobreza, nem da doença, nem da velhice (pois isso também é doença natural), para realizar nosso propósito, em referência às coisas para as quais somos impelidos, sendo incapazes de conduzi-las até o fim que desejamos . Aqueles que entretiveram o desejo cujo propósito é igual, compartilham a mesma honra com aqueles que têm a capacidade, embora outros tenham a vantagem em termos de recursos. E uma vez que existem dois caminhos para alcançar a perfeição da salvação, obras e conhecimento, Ele chamou os "puros de coração abençoados, porque eles verão a Deus". E se realmente olhamos para a verdade, o conhecimento é a purificação da principal faculdade da alma e é uma boa atividade. Algumas coisas em conformidade são boas em si mesmas e outras pela participação no que é bom, como dizemos que as boas ações são boas. Mas, sem coisas intermediárias que ocupam o lugar do material, nem ações boas nem más são constituídas, como a vida, a saúde e outras coisas necessárias ou circunstanciais. Puro no que diz respeito às concupiscências corpóreas e puro em relação aos pensamentos santos, ele quer dizer aqueles que são, que alcançam o conhecimento de Deus, quando a faculdade principal da alma não tem nada de espúria para se colocar no caminho de seu poder. Quando, portanto, quem participa gnosticamente dessa sagrada qualidade se dedica à contemplação, comungando em pureza com o divino, ele entra mais no estado de identidade impassível, de modo a não mais ter ciência e possuir conhecimento, mas ser ciência. e conhecimento.

"Bem-aventurados, pois, os pacificadores", que subjugaram e domaram a lei que guerreia contra a disposição da mente, as ameaças da ira e as iscas da luxúria, e as outras paixões que combatem a razão; que, tendo vivido no conhecimento tanto das boas obras quanto da verdadeira razão, será reintegrado na adoção, que é mais querida. Segue-se que a pacificação perfeita é aquela que mantém inalterada em todas as circunstâncias o que é pacífico; chama providência santa e boa; e tem seu ser no conhecimento dos assuntos divinos e humanos, pelos quais considera que os opostos que estão no mundo são a mais justa harmonia da criação. Eles também são pacificadores, que ensinam àqueles que lutam contra os estratagemas do pecado a recorrerem à fé e à paz. E é a soma de todas as virtudes, em minha opinião, quando o Senhor nos ensina que, por amor a Deus, devemos desprezar a morte. "Bem-aventurados são eles", diz Ele, "que são perseguidos por causa da justiça, porque serão chamados filhos de Deus"; ou, como alguns dos que transpõem os Evangelhos dizem: "Bem-aventurados os que são perseguidos pela justiça, porque serão perfeitos". E, "Bem-aventurados os que são perseguidos por minha causa, porque terão um lugar onde não serão perseguidos". E, "Bem-aventurados sereis quando os homens te odiarem, quando te separarem, quando expulsarem o teu nome como mal, pelo Filho do homem"; se não detestarmos nossos perseguidores e sofrermos punições, não os odiarmos com a idéia de que fomos levados a julgamento mais tarde do que esperávamos; mas sabendo disso também, que todo exemplo de provação é uma ocasião para testemunhar.

CAPÍTULO VII - A Bênção do Mártir.

Então aquele que mentiu e se mostrou infiel, e se revoltou com o exército do diabo, em que mal o achamos ser? Ele desmente, portanto, o Senhor, ou melhor, ele é traído por sua própria esperança, que não acredita em Deus; e ele não acredita quem não faz o que Ele ordenou.

E o que? Não é ele, que nega o Senhor, negar a si mesmo? Pois ele não rouba seu Mestre de Sua autoridade, que se priva de sua relação com Ele? Ele, então, que nega o Salvador, nega a vida; porque "a luz era vida". Ele não denomina aqueles homens de pouca fé, mas sem fé e hipócritas, que têm o nome inscrito neles, mas negam que sejam realmente crentes. Mas o fiel é chamado de servo e amigo. De modo que, se alguém se ama, ama o Senhor e confessa à salvação que pode salvar sua alma. Embora você morra por seu próximo por amor, e considere o Salvador como nosso próximo (pois Deus que salva é dito estar próximo em relação ao que é salvo); você faz isso, escolhendo a morte por causa da vida, e sofrendo pelo seu próprio bem, em vez do dele. E não é por isso que ele é chamado irmão? aquele que, sofrendo por amor a Deus, sofreu por sua própria salvação; enquanto ele, por outro lado, que morre por sua própria salvação, permanece por amor ao Senhor. Pois ele sendo vida, no que sofreu desejou sofrer para que pudéssemos viver pelo seu sofrimento.

"Por que me chamais Senhor, Senhor", diz ele, "e não as coisas que eu digo?" Pois "o povo que ama com os lábios, mas tem o seu coração longe do Senhor", é outro povo, e confia em outro, e voluntariamente se vendeu a outro; mas aqueles que executam os mandamentos do Senhor, em cada ação "testificam", fazendo o que Ele deseja, e consistentemente nomeando o nome do Senhor; e "testificando" por ação a Ele em quem eles confiam, que eles são aqueles "que crucificaram a carne, com as afeições e luxúrias." "Se vivemos no Espírito, vamos também andar no Espírito". s "O que semeia na sua carne, da carne ceifará a corrupção; mas o que semeia no Espírito, do Espírito ceifará a vida eterna."

Mas para aqueles homens miseráveis, o testemunho ao Senhor pelo sangue parece uma morte muito violenta, sem saber que tal portão da morte é o começo da verdadeira vida; e eles não compreenderão as honras após a morte, que pertencem àqueles que viveram em santidade, nem as punições daqueles que viveram injustamente e impuros? Eu não digo somente de nossas Escrituras (pois quase todos os mandamentos as indicam); mas eles nem mesmo ouvirão seus próprios discursos. Para o pitagórico Theano escreve: "A vida era realmente uma festa para os ímpios que, tendo feito o mal, então morrem; não fosse a alma imortal, a morte seria uma dádiva de Deus." E Platão no Fédon, "Pois se a morte fosse a liberação de tudo", e assim por diante. Não devemos, então, pensar de acordo com o Telephus de Ésquilo, "que um único caminho leva ao Hades". Os caminhos são muitos e os pecados que levam para lá. Tais profundamente errantes como os infiéis são, Aristófanes apropriadamente faz os sujeitos da comédia. "Vem", diz ele, "vós homens de vida obscura, vós que sois como a raça das folhas, débeis, figuras de cera, tribos obscuras, fugazes, fugazes, efêmeras." E Epicharmus: "Essa natureza dos homens é peles infladas". E o Salvador nos disse: "O espírito está pronto, mas a carne é fraca". "Porque a mente carnal é inimizade contra Deus", explica o apóstolo: "pois não está sujeito à lei de Deus, nem mesmo pode ser. E os que estão na carne não podem agradar a Deus". E em explicações posteriores continua, que ninguém pode, como Marcion, considerar a criatura como má. "Mas se Cristo está em você, o corpo está morto por causa do pecado; mas o Espírito é vida por causa da justiça." E novamente: "Pois se viverdes segundo a carne, morrerás. Pois eu considero que os sofrimentos deste tempo presente não são dignos de serem comparados à glória que será revelada em nós. Se sofrermos com Ele, que nós também podemos ser glorificados juntos como co-herdeiros de Cristo, e sabemos que todas as coisas cooperam para o bem daqueles que amam a Deus, daqueles que são chamados segundo o propósito. conformado à imagem de seu Filho, para ser o primogênito entre muitos irmãos, e a quem ele mesmo predestinou, a estes também chamou e a quem chamou, a estes também justificou e a quem justificou os glorificou. "

Você vê que o martírio por amor é ensinado. E se você deseja ser um mártir pela recompensa de vantagens, você deve ouvir novamente. "Porque somos salvos pela esperança, mas a esperança que se vê não é a esperança; porque o que o homem vê, por que ainda tem esperança? Mas, se esperamos o que não vemos, com paciência o esperamos." "Mas se também sofremos por causa da justiça", diz Pedro, "bem-aventurados somos nós. Não tenha medo do seu medo, nem se preocupe. Mas santifique o Senhor Deus em seus corações; e esteja sempre pronto para dar uma resposta a ele que pergunta a razão da esperança que está em você, mas com mansidão e medo, tendo uma boa consciência, de modo que em referência àquilo pelo qual você é falado, eles podem se envergonhar que caluniar seu bom diálogo em Cristo. É melhor sofrer por fazer bem, se a vontade de Deus, do que por fazer o mal. " Mas se alguém disser com toda a delicadeza: E como é possível a carne fraca resistir às energias e espíritos das Potestades? bem, que ele saiba disso, que, confiando no Todo-Poderoso e no Senhor, nós lutamos contra os principados das trevas e contra a morte. "Enquanto tu ainda está falando", ele diz: "Eis aqui estou eu". Veja o ajudante invencível que nos protege. "Não é estranho, portanto, que o incêndio enviado para a sua provação, como se alguma coisa estranha lhe acontecesse; mas, como você está participando nos sofrimentos de Cristo, regozije-se; que na revelação da Sua glória vocês possam se alegrar exultante Se sois censurados em nome de Cristo, bem-aventurados sois, porque o Espírito de glória e de Deus repousa sobre vós. Como está escrito: "Porque por amor de ti somos mortos todo o dia; somos considerados ovelhas para o matadouro. Não, em todas estas coisas somos mais que vencedores, por meio daquele que nos amou".

"O que você deseja averiguar da minha mente, Você não deve verificar, não foi você aplicar Serras horrendas da coroa da minha cabeça às solas dos meus pés, Você não deveria me carregar com correntes", diz uma mulher agindo de forma maligna na tragédia. E Antígona, desprezando a proclamação de Creonte, diz corajosamente: "Não foi Zeus quem proferiu essa proclamação".

Mas é Deus quem faz a proclamação para nós, e ele deve ser acreditado. “Pois com o coração se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação. Portanto, diz a Escritura: Qualquer que crer nEle não será envergonhado”. Assim, Simonides escreve com razão: “Diz-se que a virtude habita. entre todas as rochas inacessíveis, mas ela atravessa rapidamente um lugar puro. Nem ela é visível aos olhos de todos os mortais. Aquele que não for penetrado pelo suor abrasador do coração não escalará o ápice da masculinidade. "E Píndaro diz:" Mas os pensamentos ansiosos dos jovens, girando com labuta, Encontrarão a glória: e com o tempo suas ações Irão em resplandecente éter brilho esplêndido "

Ésquilo também, tendo compreendido esse pensamento, diz: "Para aquele que labuta é devido, Como produto de sua labuta, glória dos deuses".

"Para grandes destinos alcançar grandes destinos", de acordo com Heráclito: "E que escravo existe, quem é descuidado da morte?"

"Porque Deus não nos deu o espírito de escravidão novamente para temer; mas de poder, e amor, e de uma mente sã. Portanto, não se envergonhe do testemunho de nosso Senhor ou de mim, seu prisioneiro", escreve ele a Timóteo. . Tal será ele "que se apega ao que é bom", segundo o apóstolo, "que odeia o mal, tendo amor não fingido; porque aquele que ama o outro cumpre a lei". Se, então, este Deus, a quem testemunhamos, ser como Ele é, o Deus da esperança, nós reconhecemos nossa esperança, acelerando para a esperança, "saturada de bondade, cheia de todo conhecimento".

Os sábios indianos dizem a Alexandre da Macedônia: "Vocês transportam os corpos dos homens de um lugar para outro. Mas vocês não devem forçar nossas almas a fazer o que não desejamos. O fogo é para os homens a maior tortura, isso desprezamos." Por isso, Heráclito preferiu uma coisa, glória, a tudo mais; e professa "que ele permite que a multidão se encha de saciedade como gado".

"Pois por causa do corpo há muitos labutas, pois inventamos uma casa coberta, e descobrimos como desenterrar a prata e semear a terra, e todo o resto que conhecemos pelos nomes."

Para a multidão, então, esse trabalho inútil é desejável. Mas para nós, o apóstolo diz: "Agora sabemos isto, que o nosso homem velho está crucificado com Ele, para que o corpo do pecado seja destruído, para que não mais sirvamos ao pecado". O apóstolo, então, não acrescenta claramente o seguinte, para mostrar o desprezo pela fé no caso da multidão? "Porque creio que Deus nos apresentou os apóstolos por último, como designados para a morte: somos feitos um espetáculo para o mundo, para os anjos e para os homens. Até a presente hora, ambos temos fome e sede e somos nus, e somos espancados, e somos frágeis, e trabalhamos, trabalhando com nossas mãos. Sendo insultados, abençoamos; sendo perseguidos, suportamos; sendo difamados, rogamos; tornamo-nos como as escórias do mundo. " Tais também são as palavras de Platão na República: "O homem justo, embora esticado na prateleira, embora seus olhos sejam abertos, será feliz". O gnóstico nunca terá então o fim principal colocado na vida, mas em ser sempre feliz e abençoado, e um amigo real de Deus. Embora visitado com ignomínia e exílio, e confisco, e acima de tudo, morte, ele nunca será arrancado de sua liberdade e sinaliza amor a Deus. "A caridade que tudo suporta, tudo suporta", é certo que a Divina Providência ordena tudo bem. "Eu te exorto", por isso é dito: "Sede meus seguidores". O primeiro passo para a salvação é a instrução acompanhada de medo, em consequência da qual nos abstivemos do que está errado; e a segunda é a esperança, pela qual desejamos as melhores coisas; mas o amor, como é apropriado, aperfeiçoa-se, treinando agora de acordo com o conhecimento. Para os gregos, não sei como, atribuindo eventos à necessidade irracional, é que eles se submetem a eles de má vontade. Assim, Eurípides diz: "O que eu declaro, receba de mim, senhora:

Nenhum mortal existe que não tenha trabalhado; Ele enterra crianças e gera outros, E ele mesmo morre E assim os mortais são afligidos ".

Então ele acrescenta: "Devemos suportar as coisas que são inevitáveis ​​de acordo com a natureza, e passar por elas: nenhuma das coisas que são necessárias é formidável para os mortais".

E para aqueles que buscam a perfeição, propõe-se a gnose racional, cujo fundamento é a "Tríade sagrada". "Fé, esperança, amor; mas o maior deles é o amor". Verdadeiramente, "todas as coisas são lícitas, mas todas as coisas não são convenientes", diz o apóstolo: "todas as coisas são lícitas para mim, mas todas as coisas não edificam". E "Ninguém busque a sua própria vantagem, mas também a do seu próximo", para poder fazer e ensinar, construir e edificar. Por isso "a terra é do Senhor e a sua plenitude" é admitida; mas a consciência dos fracos é suportada. "Consciência, eu digo, não a dele próprio, mas a do outro; por que a minha liberdade é julgada por outra consciência? Pois se eu pela graça sou participante, por que eu sou mal falado por aquilo pelo qual dou graças? Portanto, se comereis ou bebamos, ou o que fazeis, tudo para a glória de Deus. "Porque, embora andemos na carne, não guerreamos segundo a carne, porque as armas da nossa guerra não são carnais, mas poderosas por Deus, para a demolição de fortificações, para a demolição de pensamentos e para todas as coisas elevadas que se exaltam contra o conhecimento. de Cristo ". Equipado com essas armas, o gnóstico diz: Ó Senhor, dê oportunidade e receba demonstração; deixe este terrível evento passar; Eu desprezo os perigos do amor que tenho por Ti.

"Porque sozinho das coisas humanas, a Virtude não recebe uma recompensa de fora, mas tem em si a recompensa de seus esforços."

"Ponha, pois, como os eleitos de Deus, santos e amados, entranhas de misericórdia, bondade, humildade, mansidão, longanimidade. E acima de tudo, amor, que é o vínculo da perfeição. E que a paz de Deus reine em vossos corações, aos quais sois chamados em um corpo e agradeis, "vós que, enquanto ainda no corpo, como os homens justos de outrora, gozam de impassibilidade e tranquilidade de alma.

CAPÍTULO VIII - MULHERES BEM COMO HOMENS, ESCRAVOS BEM COMO FREEMEN, CANDIDATOS À COROA DO MÁRTIR.

Desde então, não só os Esopo, como os Macedônios, e os Lacedemônios, sofreram quando submetidos à tortura, como diz Eratóstenes em seu trabalho On Things Good and Evil; mas também Zeno de Elea, quando submetido à compulsão para divulgar um segredo, resistiu às torturas e não confessou nada; que, ao expirar, mordeu a língua e cuspiu no tirano, a quem alguns chamam de Nearchus e alguns Demulus. Teódoto, o pitagórico, também agiu da mesma forma, e Paulo, o amigo de Lacydes, como Timóteo de Pergamo diz em seu trabalho sobre A Fortitude dos Filósofos e Acaico na Ética. Póstumo também, o romano, quando capturado por Peucetion, não divulgou um único segredo; mas, colocando a mão no fogo, segurou-a como se fosse um pedaço de latão, sem mover um músculo do rosto. Eu omito o caso de Anaxarchus, que exclamou: "Libra para o saco que segura Anaxarchus, pois não é Anaxarchus que você está batendo", quando pelas ordens do tirano ele estava sendo martelado com pilões de ferro. Nem tampouco a esperança de felicidade nem o amor de Deus toma o que acontece, mas permanece livre, embora seja jogado entre as bestas mais selvagens ou no fogo que tudo consome; embora atormentado com torturas de um tirano. Dependendo do favor divino, ascende sem ser subjugado, entregando o corpo àqueles que conseguem tocá-lo sozinhos. Uma nação bárbara, não sobrecarregada de filosofia, escolhe, diz-se, anualmente, um embaixador para o herói Zamolxis. Zamolxis foi um dos discípulos de Pitágoras. Aquele, então, que é julgado pelo valor mais esterlino, é condenado à morte, ao sofrimento daqueles que praticaram a filosofia, mas não foram selecionados, por serem considerados indignos de um serviço feliz.

Portanto, a Igreja está cheia de mulheres tão castas como os homens, que durante toda a sua vida contemplaram a morte que se eleva a Cristo? Pois o indivíduo cuja vida é enquadrada como nossa é filosofar sem Aprender, seja bárbaro, seja grego, seja escravo - seja um homem velho ou um menino ou uma mulher. O autocontrole é comum a todos os seres humanos que fizeram a escolha. E admitimos que a mesma natureza existe em todas as raças e na mesma virtude. No que diz respeito à natureza humana, a mulher não possui uma natureza, e o homem exibe outra, mas a mesma coisa: assim também com a virtude. Se, conseqüentemente, um autocontrole e justiça, e quaisquer qualidades que sejam consideradas como seguidoras, é a virtude do homem, pertence ao homem somente ser virtuoso e à mulher ser licenciosa e injusta. Mas é ofensivo até mesmo dizer isso. Por conseguinte, a mulher deve praticar o autocontrole e a retidão, e todas as outras virtudes, assim como o homem, tanto ligadas quanto livres; já que é uma conseqüência adequada que a mesma natureza possua uma e a mesma virtude. Nós não dizemos que a natureza da mulher é a mesma que a do homem, como ela é mulher. Pois, sem dúvida, é lógico que haja alguma diferença entre cada um deles, em virtude de que um é do sexo masculino e o outro feminino. Gravidez e parto, portanto, dizemos pertencer a mulher, como ela é mulher, e não como ela é um ser humano. Mas se não houvesse diferença entre homem e mulher, ambos fariam e sofreriam as mesmas coisas. Como então há mesmice, no que diz respeito à alma, ela alcançará a mesma virtude; mas como há diferença no que diz respeito à construção peculiar do corpo, ela é destinada a cuidar de crianças e cuidar da casa. "Pois eu gostaria que você soubesse", diz o apóstolo, "que a cabeça de todo homem é Cristo; e a cabeça da mulher é o homem; pois o homem não é da mulher, mas a mulher daquele homem." Porque nem a mulher sem o homem nem o homem sem a mulher no Senhor. Pois, como dizemos, o homem deve ser contínuo e superior aos prazeres; assim também consideramos que a mulher deve ser continente e praticada na luta contra os prazeres. "Mas eu digo: Andai no Espírito e não satisfareis as concupiscências da carne", aconselha o mandamento apostólico; "porque a carne cobiça contra o espírito, e o espírito contra a carne. Estes, então, são contrários" (não tão bons para o mal, mas como brigando vantajosamente), ele acrescenta, portanto, para que não possam fazer as coisas que . Ora, as obras da carne são manifestas, que são: fornicação, impureza, devassidão, idolatria, feitiçarias, inimizades, lutas, ciúmes, ira, disputas, dissensões, heresias, inveja, embriaguez, reveses e afins; e já vos tenho dito isto, como já disse anteriormente, que os que fazem tais coisas não herdarão o reino de Deus. Mas o fruto do Espírito é amor, alegria, paz, longanimidade, benignidade, temperança, bondade, fé, mansidão ”. Ele chama os pecadores, como eu penso, de“ carne ”e o“ espírito ”justo. deve ser assumido para produzir confiança e indulgência, de modo que "àquele que golpeia uma face, dê a ele a outra; e para aquele que tira o manto, para ceder a ele o casaco também, "fortemente, restringindo a raiva. Pois não treinamos nossas mulheres como amazonas para a virilidade na guerra; já que desejamos que os homens sejam pacíficos. Eu ouço isso. as mulheres sármatas praticam a guerra não menos que os homens, e as mulheres dos sacas, que atiram para trás, fingindo fugir tão bem quanto os homens.Também estou ciente de que as mulheres próximas à Ibéria praticam trabalho e trabalho masculinos, não se abstendo de suas tarefas, mesmo que perto de sua entrega, mas mesmo na própria luta de suas dores, a mulher, ao ser entregue, pegando a criança, leva-a para casa.Além disso, as fêmeas não menos do que os machos gerenciam a casa, e caçar e manter os rebanhos: "Cressa, o cão correu intensamente na pista do cervo".

As mulheres devem, portanto, filosofar igualmente com os homens, embora os machos sejam preferíveis em tudo, a menos que tenham se tornado efeminados. Para toda a raça humana, então, disciplina e virtude são uma necessidade, se elas buscarem a felicidade. E como imprudentemente Euripides escreve às vezes isso e às vezes isso! Em uma ocasião: "Pois toda esposa é inferior ao marido, embora a mais excelente case-se com ela que é de fama justa". E em outro: "Pois a casta é escrava de seu marido, Enquanto ela que é impassível em sua loucura despreza sua consorte.

. . . Porque nada é melhor e mais excelente do que quando, como marido e mulher, manténs casa, Harmoniosa em vossos sentimentos. O poder dominante é, portanto, a cabeça. E se o Senhor é a cabeça do homem, e o homem é a cabeça da mulher, "o homem", sendo a imagem e glória de Deus, é o senhor da mulher. "Por isso, também na Epístola aos Efésios está escrito:" Sujeito), nós mesmos um ao outro no temor de Deus. Esposas, sujeitem-se a seus próprios maridos, como ao Senhor. Pois o marido é cabeça da esposa, como também Cristo é a cabeça da Igreja; e Ele é o Salvador do corpo. Maridos, amem suas esposas, assim como Cristo amou a Igreja. Assim também os homens devem amar suas esposas como seus próprios corpos: aquele que ama sua esposa, ama a si mesmo. Pois nenhum homem jamais odiou a própria carne. "E nisso aos Colossenses se diz:" Esposas, submeta-se a seus próprios maridos, como coube no Senhor. Marido, ame suas esposas e não seja amargo contra elas. Filhos, obedeçam seus pais em todas as coisas; porque isso é agradável ao Senhor. Pais, não provoquem seus filhos à ira, para que não sejam desencorajados. Servos, sejam obedientes em todas as coisas àqueles que são seus senhores de acordo com a carne; não com serviço de olho, como prazeres de homens; mas com singeleza de coração, temendo o Senhor. E tudo o que fazeis, faze com todo o coração servir ao Senhor e não aos homens; sabendo que do Senhor recebereis o galardão da herança, porque servimos ao Senhor Cristo. Porque o malfeitor receberá o erro que ele fez; e não há respeito de pessoas. Mestres, prestem justiça e equidade aos seus servos; sabendo que também tendes um Mestre no céu, onde não há grego nem judeu, circuncisão e incircuncisão, bárbaro, cita, livre, mas Cristo é tudo e em todos. ”E a Igreja terrena é a imagem do celestial também oramos "para que a vontade de Deus seja feita sobre a terra como no céu". "Por conseguinte, colocando as entranhas de misericórdia, mansidão, humildade, mansidão e longanimidade; tolerando uns aos outros, e perdoando uns aos outros, se alguém tiver uma briga contra qualquer homem; como também Cristo nos perdoou, assim também nos deixe. E acima de tudo estas coisas colocadas na caridade, que é o vínculo da perfeição. E que a paz de Deus governe em vossos corações aos quais sois chamados em um corpo; e ser grato. "Pois não há nenhum obstáculo para adicionar freqüentemente a mesma Escritura, a fim de colocar Marcion para o rubor, se por acaso ele ser persuadido e convertido; aprendendo que o fiel deve ser grato a Deus, o Criador, que tem chamado nós, e que pregou o Evangelho no corpo.Pelas considerações, a unidade da fé é clara, e é mostrado quem é o homem perfeito, de modo que, embora alguns são relutantes, e oferecem tanta resistência quanto possível, embora ameaçada com punições na mão do marido ou do mestre, tanto o doméstico como a esposa filosofam, e o livre, embora ameaçado de morte nas mãos de um tirano, levado perante os tribunais e todas as suas substâncias em perigo, não abandonará de modo nenhum. nem a esposa que mora com um marido perverso, nem o filho, se ele tiver um pai mau, ou o doméstico, se ele tem um mestre mau, jamais falha em aceitar com nobreza a virtude, mas como é nobre para um homem morrer pela virtude e pela liberdade e por ele mesmo, assim também é para uma mulher. Pois isso não é peculiar à natureza dos machos, mas à natureza do bem. Por conseguinte, tanto o velho como o jovem e o servo viverão fielmente e, se necessário, morrerão; que será feito vivo pela morte. Assim, sabemos que tanto as crianças quanto as mulheres e os criados têm, freqüentemente, contra a vontade de seus pais, senhores e maridos, atingido o mais alto grau de excelência. Portanto, aqueles que estão determinados a viver piedosamente devem, no entanto, demonstrar entusiasmo, quando alguns parecem exercer compulsão sobre eles; mas muito mais, penso eu, é para eles mostrarem ânsia e lutar com um vigor incomum, para não serem superados, abandonarem os melhores e mais indispensáveis ​​conselhos. Pois não admite, penso eu, que haja comparação, seja melhor ser um seguidor do Todo-Poderoso do que escolher a escuridão dos demônios. Para as coisas que são feitas por nós por conta de outros, devemos fazer sempre, esforçando-nos para ter respeito àqueles por quem é apropriado que eles sejam feitos, em relação à gratificação prestada em seu caso, como o que deve ser nossa regra. ; mas as coisas que são feitas por nós mesmos e não pelos outros, devem ser feitas com a mesma seriedade, sejam elas como agradar a certas pessoas ou não. Se algumas coisas indiferentes obtiveram tal honra que parecem dignas de adoção, embora contra a vontade de alguns; muito mais é a virtude a ser considerada por nós como digna de ser disputada, olhando o tempo para nada além do que pode ser feito com razão, se parece bom aos outros ou não. Pois bem, Epicuro, escrevendo para Mênemo, diz: "Não deixe aquele que é jovem adiar a filosofar, e não deixar o velho se cansar de filosofar; pois ninguém tem idade ou idade passada para cuidar da saúde de seus homens." E aquele que diz que o tempo para filosofar não vem ou é passado, é como o homem que diz que o tempo para a felicidade não vem ou se foi, de modo que tanto os jovens quanto os velhos devam filosofar: , para que, enquanto envelhecer, ele possa crescer jovem em coisas boas em detrimento do que é passado, e o outro, que ele possa ser ao mesmo tempo jovem e velho, por falta de medo para o futuro ".

CAPÍTULO IX - OS PROPÓSITOS DE CRISTO QUE RESPEITAM O MARTÍRIO.

No martírio o Senhor falou explicitamente, e o que está escrito em diferentes lugares nos reunimos. "Mas eu vos digo: Qualquer que me confessar diante dos homens, também o Filho do homem o confessará diante dos anjos de Deus; mas qualquer que Me negar diante dos homens, eu o negarei diante dos anjos." "Qualquer que de mim se envergonhar ou das minhas palavras nesta geração adúltera e pecadora, dele também o Filho do homem se envergonhará quando vier na glória de seu Pai com os seus anjos".

Qualquer que, pois, me confessar diante dos homens, também eu o confuto diante de meu Pai, no céu. "E quando eles te trazem diante de sinagogas, e governantes, e poderes, não pensem: de antemão, como fareis a tua defesa, ou o que direis. Porque o Espírito Santo vos ensinará na mesma hora o que haveis de dizer." Na explicação desta passagem, Heracleon, o mais ilustre da escola de Valentinians, diz expressamente, "que há uma confissão pela fé e conduta, e um com a voz. A confissão que é feita com a voz, e perante as autoridades , é o que mais considera a única confissão, não de modo sólido: e os hipócritas também podem confessar com essa confissão, mas também não se pode dizer que essa declaração é universalmente falada, pois todos os salvos confessaram com a confissão feita pela voz e partiram. Dos quais estão Mateus, Filipe, Tomé, Levi e muitos outros, e a confissão pelo lábio não é universal, mas parcial, mas aquilo que Ele especifica agora é universal, aquilo que é feito por ações e ações correspondendo à fé nEle. Esta confissão é seguida por aquela que é parcial, que perante as autoridades, se necessário, e a razão dita, pois ele confessará com razão que primeiro confessou por sua disposição, e usou bem, com relação àqueles que confessam a expressão "em mim" e se aplicam àqueles que negam a expressão "eu". Para aqueles que, apesar de confessarem-no com a voz, negam-no, não confessando-o em sua conduta, mas somente aqueles que nEle confessam, que vivem na confissão e conduzem segundo Ele, no qual Ele também confessa, contido neles e mantido por eles. Wherefore 'Ele nunca pode negar a Si mesmo'. E aqueles que negam Aquele que não está Nele, porque Ele não disse: 'Todo aquele que negar' em mim, mas 'eu'. Pois ninguém que está Nele negará a Ele. E a expressão "diante dos homens" aplica-se tanto aos salvos como aos pagãos, similarmente pela conduta anterior a um, e pela voz diante do outro. Portanto, eles nunca podem negá-Lo. negue a quem não está nele. " Até agora Heracleon. E em outras coisas ele parece estar com os mesmos sentimentos conosco nesta seção; mas ele não adverte a isto, que se alguns não o fizeram por conduta e em sua vida "confessaram a Cristo diante dos homens", eles se manifestaram para ter acreditado com o coração; confessando-o com a boca nos tribunais, e não negando-o quando torturado até a morte. E a disposição sendo confessada, e especialmente não sendo mudada pela morte a qualquer momento, corta todas as paixões geradas pelo desejo corpóreo. Pois há, por assim dizer, no final da vida, um súbito arrependimento em ação e uma verdadeira confissão a Cristo, no testemunho da voz. Mas se o Espírito do Pai testifica em nós, como podemos ser mais hipócritas, os quais dizem que prestam testemunho somente com a voz? Mas será dado a alguns, se for conveniente, fazer uma defesa, que por seu testemunho e confissão todos podem ser beneficiados - aqueles na Igreja sendo confirmados, e aqueles dos pagãos que se devotaram à busca após a salvação se perguntando e sendo levado à fé; e o resto se surpreendeu. Então essa confissão é por todos os meios necessários. Pois está em nosso poder. Mas fazer uma defesa para nossa fé não é universalmente necessário. Pois isso não depende de nós. "Mas aquele que perseverar até o fim será salvo." Pois quem dos sábios não escolheria reinar em Deus e mesmo servir? Então alguns "confessam que conhecem a Deus", segundo o apóstolo; "mas nas obras eles O negam, sendo abomináveis ​​e desobedientes, e a toda boa obra reprovável". E estes, embora confessem apenas isto, terão feito no final um bom trabalho. Seu testemunho, então, parece ser a purificação dos pecados com glória. Por exemplo, o pastor diz: "Você escapará da energia da fera, se seu coração se tornar puro e inocente". Também o próprio Senhor diz: "Satanás desejou peneirar-te, mas eu orei." Sozinho, portanto, o Senhor, para a purificação dos homens que conspiraram contra Ele e não acreditaram nele, "bebeu a taça"; em imitação de quem os apóstolos, que eles podem ser na realidade gnósticos, e perfeitos, sofreram pelas Igrejas que eles fundaram.

Portanto, também os gnósticos que seguem os passos dos apóstolos devem ser sem pecado e, por amor ao Senhor, amar também a seu irmão; de modo que, se a ocasião chamar, resistindo sem tropeços, aflições para a Igreja, "eles podem beber o cálice". Aqueles que testemunham em sua vida por ação, e no tribunal por palavra, se nutrem esperança ou supondo medo, são melhores do que aqueles que confessam a salvação somente pela sua boca. Mas se alguém ascender também ao amor, ele é realmente um abençoado e verdadeiro mártir, tendo confessado perfeitamente ambos os mandamentos e a Deus, pelo Senhor; Aquele que amava, reconheceu um irmão, entregando-se inteiramente a Deus, resignando-se agradavelmente e amorosamente ao homem, quando solicitado, como um depósito.

CAPÍTULO X - AQUELES QUE OFERECERAM-SE PARA O MARTÍRIO REPRESERADO.

Quando, novamente, Ele diz: "Quando eles perseguirem você nesta cidade, fujam para o outro", ele não aconselha a fugir, como se a perseguição fosse uma coisa má; nem os ordena fugir para evitar a morte, como se temesse, mas deseja que não sejamos autores nem abomináveis ​​de nenhum mal a ninguém, seja a nós mesmos ou ao perseguidor e assassino. Pois Ele, de certo modo, nos manda cuidar de nós mesmos. Mas quem desobedece é imprudente e imprudente. Se aquele que mata um homem de Deus peca contra Deus, também aquele que se apresenta diante do tribunal torna-se culpado de sua morte. E esse também é o caso daquele que não evita a perseguição, mas ousado se apresenta para captura. Tal um, quanto a ele reside, converte-se em cúmplice no crime do perseguidor. E se ele também usa provocação, ele é totalmente culpado,desafiando a fera. E da mesma forma, se ele permitir qualquer causa de conflito ou punição, ou retribuição ou inimizade, ele dá ocasião para perseguição. Portanto, portanto, somos intimados a não nos apegar a nada que pertence a esta vida; mas "àquele que leva nossa capa para dar nosso casaco", não apenas para que possamos continuar destituídos de afeição desordenada, mas para que não retalemos nossos agressores, e os incitemos a blasfemar o nome.mas para que não possamos retaliar nossos selvagens contra nós mesmos e incitá-los a blasfemar o nome.mas para que não possamos retaliar nossos selvagens contra nós mesmos e incitá-los a blasfemar o nome.

CAPÍTULO XI - A OBJEÇÃO, POR QUE VOCÊ SOFRE SE O DEUS CUIDA DE VOCÊ, RESPONDEU.

Mas, dizem eles, se Deus cuida de você, por que você é perseguido e morto? Ele te entregou para isso? Não, nós não supomos que o Senhor deseja que nos envolvamos em calamidades, mas que Ele profetizou o que aconteceria - que devemos ser perseguidos por causa do seu nome, abatidos e empalados. De modo que não foi porque Ele desejou que fôssemos perseguidos, mas Ele sugeriu de antemão o que sofreríamos com a previsão do que aconteceria, treinando-nos para a perseverança, à qual Ele prometeu a herança, apesar de sermos punidos não apenas, mas junto com muitos. Mas esses, dizem, sendo malfeitores, são justamente punidos. Consequentemente, eles, sem querer, prestam testemunho da nossa justiça, sendo injustamente punidos por causa da justiça. Mas a injustiça do juiz não afeta a providência de Deus.Pois o juiz deve ser senhor de sua própria opinião - não puxado por cordas, como máquinas inanimadas, posto em movimento apenas por causas externas. Por conseguinte, ele é julgado a respeito de seu julgamento, como também nós, de acordo com nossa escolha de coisas desejáveis ​​e nossa perseverança.

Embora não nos enganemos, o juiz nos considera errado, pois ele não sabe nem deseja saber sobre nós, mas é influenciado por preconceitos injustificados; Por isso também ele é julgado. Por conseguinte, eles nos perseguem, não pela suposição de que somos malfeitores. mas imaginando que, pelo próprio fato de sermos cristãos, pecamos contra a vida ao nos conduzirmos e exortar os outros a adotar a mesma vida.

Mas por que você não é ajudado quando perseguido? dizem eles. Que mal nos é feito, no que nos diz respeito, sermos libertados pela morte para irmos ao Senhor e, assim, passar por uma mudança de vida, como se fosse uma mudança de uma época da vida para outra? Pensamos, com razão, que devemos nos sentir obrigados àqueles que têm meios para uma partida rápida, se é por amor que testemunhamos; e se não, deveríamos aparecer à multidão para sermos homens de base. Se eles também soubessem a verdade, todos teriam chegado ao caminho e não haveria escolha. Mas nossa fé, sendo a luz do mundo, reprova a incredulidade. "Se Anytus e Melitus me matarem, eles não me machucarão nem um pouco; pois não acho certo ferir o pior", diz Sócrates. Para que cada um de nós possa dizer com confiança: "O Senhor é meu ajudador;Não temerei: que me fará o homem? "" Porque as almas dos justos estão nas mãos do Senhor, e nenhuma praga os tocará. "

CAPÍTULO XII - A IDEIA DE MARTÍRIO DE BASILÍDEOS REFUTADA.

Basilides, no vigésimo terceiro livro da Exegética, respeitando aqueles que são castigados pelo martírio, expressa-se na seguinte linguagem: "Pois eu digo isto: Quem cair sob as aflições mencionadas, em conseqüência de inconscientemente transgredir em outros assuntos, trazido a este bom fim pela bondade dAquele que os traz, mas acusado por outros motivos, de modo que eles não podem sofrer como condenados por aquilo que é propriedade de ser iniqüidades, nem reprovados como o adúltero ou o assassino, mas porque eles são cristãos que os consolará, para que não pareçam sofrer, e se alguém que não pecou em tudo incorre em sofrimento - um caso raro -, ainda que ele não sofra nada com as maquinações do poder, mas sofrerá a criança que parece não ter pecado sofrerá ". Em seguida, ele acrescenta: "Assim, a criança que não pecou antes, ou cometeu pecado real em si mesma, mas tem aquela que cometeu pecado, quando sujeita ao sofrimento, fica boa, colhendo a vantagem de muitas dificuldades; Embora um homem perfeito não tenha pecado em ação, enquanto ele suporta aflições, ele sofre da mesma forma com a criança, tendo nele o princípio pecaminoso, mas não abraçando a oportunidade de cometer pecado, ele não peca, de modo que ele não é pecado. ser considerado como se não tivesse pecado, pois, como quem deseja adulterar é um adúltero, embora não consiga cometer adultério, e aquele que deseja cometer um assassinato é um assassino, embora seja incapaz de matar; se eu vejo o homem sem pecado, a quem eu especifiquei, sofrendo, embora ele não tenha feito nada de mal, eu devo chamá-lo de mal, por causa de seu desejo de pecar, pois vou afirmar algo em vez de chamar a Providência de má. Então, em continuação, ele diz expressamente sobre o Senhor, como concernente ao homem: "Se então, passando de todas estas observações, você deveria me envergonhar dizendo, por acaso imitando certas partes, Este homem então pecou; este homem sofreu, se você permitir, eu direi, Ele não pecou, ​​mas foi como uma criança sofrendo Se você insistisse mais urgentemente, eu diria, Que o homem que você nomeia é homem, mas que Deus é justo: "Pois ninguém é puro", como se disse, "da poluição". "Mas a hipótese de Basilides diz que a alma, tendo pecado antes em outra vida, suporta punição nisto - a alma eleita com honra pelo martírio, a outra expurgada pela punição apropriada. Como isso pode ser verdade, quando a punição confessando e sofrendo depende de nós mesmos? Pois no caso do homem que deve negar, a Providência, como sustentada por Basilides, é eliminada. Vou pedir-lhe, então, no caso de um confessor que foi preso, se ele vai confessar e ser punido em virtude da Providência ou não? Pois no caso de negar, ele não será punido. Mas se, por uma questão de escapar e evitar a necessidade de punir tal pessoa, ele dirá que a destruição daqueles que negarão é da Providência, ele será um mártir contra sua vontade. E quão mais é o caso, que no céu está depositada a gloriosa recompensa àquele que testemunhou para o seu testemunho? Se a Providência não permitir que o pecador tenha a duração do pecado, é injusto em ambos os casos; tanto em não resgatar o homem que é arrastado à punição por causa da justiça, e em resgatar aquele que desejava fazer o mal, ele o fez no que concerne à volição, mas a providência impediu a ação e favoreceu injustamente o pecador. E quão ímpio, em deificar o diabo e em ousar chamar o Senhor de homem pecador! Para o diabo nos tentar, sabendo o que somos, mas não sabendo se vamos resistir, mas desejando nos desalojar da fé, tenta também nos colocar em sujeição a si mesmo. O que é tudo o que lhe é permitido, em parte, da necessidade de nos salvar, de tomarmos ocasião do mandamento, de nós mesmos; em parte pela confusão daquele que tentou e falhou; para a confirmação dos membros da Igreja, e a consciência daqueles que admiram a constância [exibida]. Mas se o martírio é retribuição por meio de punição, então também fé e doutrina, por causa do qual vem o martírio, são cooperadores na punição - do que qual outro absurdo poderia ser maior? Mas com referência a esses dogmas, quer a alma seja transformada em outro corpo, também do diabo, no devido tempo será feita menção. Mas no presente, ao que já foi dito, vamos acrescentar o seguinte: Onde mais existe a fé na retribuição dos pecados cometidos antes do martírio? E onde está o amor a Deus, que é perseguido e persevera pela verdade? E onde está o louvor daquele que confessou, ou a censura daquele que negou? E para que serve a conduta correta, a mortificação das luxúrias e o ódio de nenhuma criatura? Mas se, como diz o próprio Basilides, supomos que uma parte da vontade declarada de Deus é o amor de todas as coisas, porque todas as coisas têm relação com o Todo, e outra "não cobice nada", e uma terceira "não odiar qualquer coisa, "pela vontade de Deus, estes também serão castigos, que eram ímpios para pensar. Pois nem o Senhor sofreu pela vontade do Pai, nem aqueles que são perseguidos pela vontade de Deus; já que qualquer uma das duas coisas é o caso: ou a perseguição em conseqüência da vontade de Deus é uma coisa boa, ou aqueles que decretam e afligem são inocentes. Mas nada é sem a vontade do Senhor do universo. Resta dizer que tais coisas acontecem sem a prevenção de Deus; só isso salva a providência e a bondade de Deus. Não devemos, portanto, pensar que Ele produz ativamente aflições (longe de ser que pensemos nisso!); mas devemos ser persuadidos de que Ele não previne aqueles que os causam, mas anula para sempre os crimes de Seus inimigos: "Eu, portanto," Ele diz: "destrua o muro, e será por andar sob o pé". A providência é uma arte disciplinar; no caso de outros para os pecados de cada indivíduo, e no caso do Senhor e Seus apóstolos para o nosso. A este ponto diz o divino apóstolo: "Porque esta é a vontade de Deus, a vossa santificação, que vos abstenhais da fornicação: que cada um de vós saiba possuir o seu vaso em santificação e honra; não no desejo da concupiscência como os gentios que não conhecem o Senhor: que nenhum de vocês deve exceder-se ou tirar proveito de seu irmão em qualquer assunto, porque o Senhor é o vingador em relação a tudo isso, como já dissemos antes, e testemunhou. não nos chamou para a imundícia, mas para a santidade. "Portanto o que despreza não despreza ao homem, mas sim a Deus, que também deu o seu Espírito Santo para convosco". Portanto, o Senhor não foi proibido desta nossa santificação. se, então, um deles dissesse, em resposta, que o mártir é castigado pelos pecados cometidos antes desta corporificação, e que ele voltará a colher o fruto de sua conduta nesta vida, pois tais são os arranjos do [ administração divina], perguntaremos a ele se a retribuição ocorre pela Providência. Pois, se não é da administração divina, a economia de expiação desaparece e sua hipótese cai no chão; mas se as expiações são feitas pela Providência, as punições também são feitas pela Providência. Mas a Providência, embora comece, por assim dizer, a se mover com o Governante, ainda está implantada em substâncias junto com sua origem pelo Deus do universo. Tal sendo o caso, eles devem confessar que o mérito punitivo não é justo, e aqueles que condenam e perseguem os mártires fazem o certo, ou que as perseguições são feitas pela vontade de Deus. O trabalho e o medo não são, como se costuma dizer, incidentes sobre os assuntos como ferrugem para o ferro, mas vêm sobre a alma por sua própria vontade. E nesses pontos há muito a dizer, que serão reservados para consideração futura, levando-os no devido tempo.

CAPÍTULO XIII - DOS VAGARIOS DO VALENTIM SOBRE A ABOLIÇÃO DA MORTE REFUTADA.

Valentiniano, em uma homilia, escreve com estas palavras: "Vós sois imortais, e filhos da vida eterna, e teríeis a morte distribuída a vós, para que possais gastá-la e que a morte possa morrer em vós e por vós porque quando dissolvermos o mundo e não estivermos dissolvidos, teremos domínio sobre a criação e toda a corrupção ”. Pois ele também, da mesma forma que Basilides, supõe uma classe salva pela natureza, e que essa raça diferente veio para cá de cima para a abolição da morte, e que a origem da morte é a obra do Criador do mundo. Por isso, ele também expõe a Escritura: "Nenhum homem verá a face de Deus e viverá", como se Ele fosse a causa da morte. Respeitando esse Deus, ele faz essas alusões ao escrever nestas expressões: "Por mais que a imagem seja inferior à face viva, tanto é o mundo inferior ao Aeon vivo. Qual é, então, a causa da imagem? majestade do rosto, que exibe a figura ao pintor, para ser honrado pelo seu nome, pois a forma não se encontra exatamente na vida, mas o nome fornece o que está faltando na efígie. A invisibilidade de Deus coopera também para a fé daquilo que foi formado ". Para o Criador, chamado Deus e Pai, ele designou como "Pintor" e "Sabedoria", cuja imagem é a que é formada, para a glória do Invisível; já que as coisas que procedem de um par são complementos, e aqueles que procedem de um são imagens. Mas desde que o que é visto não é parte dele, a alma vem do que é intermediário, o que é diferente; e esta é a inspiração do espírito diferente, e geralmente o que é soprado na alma, que é a imagem do espírito. E, em geral, o que é dito do Criador, que foi feito de acordo com a imagem, dizem que foi predito por uma imagem sensata no livro de Gênesis a respeito da origem do homem; e a semelhança que eles transferem para si mesmos, ensinando que a adição do espírito diferente foi feita; desconhecido para o Criador. Quando, então, tratamos da unidade do Deus que é proclamado na lei, nos profetas e no Evangelho, nós também discutiremos isto; porque o tema é supremo. Mas devemos avançar para o que é urgente. Se, com o propósito de acabar com a morte, a raça peculiar tiver chegado, não é Cristo quem aboliu a morte, a menos que também seja dito que é da mesma essência para eles. E se Ele o abolisse para esse fim, para que não pudesse tocar a raça peculiar, não são estes, os rivais do Criador, que inspiram a imagem de seu espírito intermediário a vida de cima - de acordo com o princípio de seu dogma - que abole a morte. Mas eles deveriam dizer que isso acontece por sua mãe, ou deveriam dizer que eles, junto com Cristo, guerreiam contra a morte, que eles possuam seu dogma secreto que eles têm a dureza de atacar o poder divino do Criador, direitos Sua criação, como se fossem superiores, esforçando-se para salvar a imagem vital que Ele não foi capaz de salvar da corrupção. Então o Senhor seria superior a Deus, o Criador; pois o filho nunca contenderia com o pai, especialmente entre os deuses. Mas o ponto que o Criador de todas as coisas, o onipotente Senhor, é o Pai do Filho, nós adiamos até a discussão destes pontos, nos quais temos sido levados a disputar as heresias, mostrando que Ele é o único Deus proclamado por ele.

Mas o apóstolo, escrevendo-nos com referência à perseverança das aflições, diz: "E isto é de Deus, que é dado a você em nome de Cristo, não apenas para crer nele, mas também para sofrer por amor a ele; tendo o mesmo conflito que viste em mim, e agora ouves estar em mim Se há, portanto, qualquer consolação em Cristo, se algum consolo de amor, se alguma comunhão de espírito, se houver entranhas e misericórdias, cumprir a minha alegria, para que possais ter a mesma mente, tendo o mesmo amor, unanimidade, pensando uma coisa, e se ele é oferecido no sacrifício e serviço da fé, alegrando e regozijando "com os filipenses, a quem o apóstolo fala, chamando-os" companheiros participantes da alegria ", como ele diz que eles são de uma alma, e tendo uma alma? Da mesma forma, também, escrevendo a respeito de Timóteo e de si mesmo, ele diz: "Pois eu não tenho ninguém de alma semelhante, que nobremente cuide do seu estado. Porque todos buscam os seus, não as coisas que são de Jesus Cristo".

Que as pessoas acima mencionadas não nos chamem, a título de reprovação, "homens naturais" ( yukikoi ), nem os frígios; pois estes agora chamam aqueles que não se aplicam à nova profecia "homens naturais" ( yukikoi ), com quem discutiremos em nossas observações sobre "Profecia". O homem perfeito deve, portanto, praticar o amor, e daí a pressa para a amizade divina, cumprindo os mandamentos do amor. E amar os inimigos não significa amar a maldade, a impiedade, o adultério ou o roubo; mas o ladrão, o ímpio, o adúltero, não tanto quanto ele peca, e a respeito das ações pelas quais ele mancha o nome do homem, mas como ele é um homem, e a obra de Deus. Seguramente o pecado é uma atividade, não uma existência e, portanto, não é uma obra de Deus. Agora os pecadores são chamados inimigos de Deus - inimigos, isto é, dos mandamentos que não obedecem, como aqueles que obedecem tornam-se amigos, aquele que o nomeou de sua comunhão, os outros de seu estranhamento, que é o resultado da liberdade. escolha; porque não há inimizade nem pecado sem o inimigo e o pecador. E a ordem "não cobiçar nada", não como se as coisas a serem desejadas não pertencessem a nós, não nos ensina a não aceitar o desejo, como aqueles que supõem que ensinam que o Criador é diferente do primeiro Deus, não como se a criação era repugnante e má (pois tais opiniões são ímpias). Mas dizemos que as coisas do mundo não são nossas, não como se fossem monstruosas, não como se não pertencessem a Deus, o Senhor do universo, mas porque não continuamos entre elas para sempre; sendo, em relação à posse, não nossa, e passando de um para outro em sucessão; mas pertencendo a nós, para quem eles foram feitos em relação ao uso, desde que seja necessário continuar com eles. De acordo, portanto, com o apetite natural, as coisas rejeitadas devem ser usadas corretamente, evitando todo excesso e afeição desordenada.

CAPÍTULO XIV - O AMOR DE TODOS, MESMO DOS NOSSOS INIMIGOS.

Quão grande também é a benignidade! "Ame seus inimigos", diz-se, "abençoe aqueles que te amaldiçoam, e ore por aqueles que o usam inoportunamente", e assim por diante; ao qual se acrescenta: "para que sejais filhos de vosso Pai que está nos céus", em alusão à semelhança com Deus. Mais uma vez, é dito: "Concorda com o teu adversário rapidamente, enquanto tu estás no caminho com ele." O adversário não é o corpo, como alguns o querem, mas o diabo e os assimilados a ele, que caminha conosco na pessoa dos homens, que emulam seus atos nesta vida terrena. É inevitável, então, que aqueles que se confessam pertencerem a Cristo, mas se encontrem no meio das obras do diabo, sofram o tratamento mais hostil. Porque está escrito: Perdeste, ele te entrega ao juiz, e o juiz te entrega aos oficiais do reino de Satanás. "Pois estou convencido de que nem a morte", através do ataque de perseguidores, "nem a vida" neste mundo ", nem anjos," os apóstatas ", nem poderes" (e poder de Satanás é a vida que ele escolheu, para tal são os poderes e principados das trevas que lhe pertencem, "nem as coisas presentes", em meio às quais existimos durante o tempo de vida, como a esperança recebida pelo soldado, e o ganho do comerciante, "nem altura, nem profundidade, nem qualquer outra criatura, "em conseqüência da energia própria do homem", se opõe à fé daquele que age de acordo com o livre arbítrio. "Criatura" é sinônimo de atividade, sendo nosso trabalho, e tal atividade "não poderá nos separar do amor de Deus, que está em Cristo Jesus, nosso Senhor". Você tem um relato compêndio do mártir gnóstico.

CAPÍTULO XV - PARA EVITAR A OFENSA

"Sabemos que todos nós temos conhecimento" - conhecimento comum em coisas comuns e o conhecimento de que existe um só Deus. Porque ele estava escrevendo para os crentes; de onde ele acrescenta: "Mas o conhecimento (gnosis) não está em todos", sendo comunicado a poucos. E há aqueles que dizem que o conhecimento sobre coisas sacrificadas a ídolos não é promulgado entre todos, "para que nossa liberdade não se torne uma pedra de tropeço para os fracos. Pois pelo teu conhecimento aquele que é fraco é destruído". Tudo o que é vendido na frangalhos, deveria ser comprado? acrescentando, por meio de interrogatório, "não fazer perguntas", como se fosse equivalente a "fazer perguntas", eles dão uma interpretação ridícula. Pois o apóstolo diz: "Todas as outras coisas compram do matadouro, sem fazer perguntas", com exceção das coisas mencionadas na epístola católica de todos os apóstolos, "com o consentimento do Espírito Santo", que está escrito em Atos dos Apóstolos, e transmitido aos fiéis pelas mãos do próprio Paulo. Pois eles insinuaram "que devem necessariamente abster-se das coisas oferecidas aos ídolos, e do sangue, e das coisas estranguladas, e da fornicação, da qual se manter, devem fazer bem". É uma questão diferente, então, que é expressa pelo apóstolo: "Não temos poder para comer e beber? Não temos poder para guiar cerca de uma irmã, uma esposa, como o resto dos apóstolos, como os irmãos de o Senhor e Cefas? Mas nós não usamos este poder ", diz ele," mas suportar todas as coisas, para que não devemos ocasionar impedimento para o Evangelho de Cristo "; ou seja, suportando cargas, quando era necessário ser desimpedido para todas as coisas; ou tornar-se um exemplo para aqueles que desejam exercitar a temperança, não encorajando-se mutuamente a comer avidamente do que está diante de nós, e a não conspirar inconsideradamente com a mulher. E especialmente é incumbido àqueles confiados com tal dispensação para exibir aos discípulos um exemplo puro. "Porque, embora eu seja livre de todos os homens, me fiz servo de todos", diz-se, "para ganhar tudo. E todo aquele que busca a maestria é moderado em todas as coisas". "Mas a terra é do Senhor e toda a sua plenitude." Por causa da consciência, então, devemos nos abster do que devemos nos abster. "Consciência, eu digo, não sua própria", pois é dotada de conhecimento ", mas a do outro", para que ele não seja treinado mal, e por imitar na ignorância o que ele não conhece, ele se torna um desprezador em vez de um forte Homem mimado. "Pois por que a minha liberdade é julgada por outra consciência? Pois se eu pela graça sou um participante, por que eu sou mal falado por aquilo pelo qual eu dou graças? Tudo o que você faz, faz tudo para a glória de Deus" - você é ordenado a fazer pela regra da fé.

CAPÍTULO XVI - PASSAGENS DA ESCRITURA RESPEITANDO A CONSTÂNCIA, PACIÊNCIA E AMOR DOS MÁRTIRES.

"Com o coração se crê para a justiça, e com a boca se faz confissão para a salvação. Portanto, diz a Escritura: Todo aquele que nele crer não será envergonhado, isto é, a palavra da fé que pregamos, porque se confessares a palavra, com a tua boca que Jesus é o Senhor, e acredita no teu coração que Deus o ressuscitou dentre os mortos, serás salvo. Há claramente descrita a perfeita justiça, cumprida tanto na prática como na contemplação. Portanto, devemos "abençoar aqueles que nos perseguem. Abençoe e não amaldiçoe". "Pois o nosso regozijo é isto, o testemunho de uma boa consciência, que em santidade e sinceridade conhecemos a Deus" por este exemplo insignificante exibindo a obra do amor, que "não na sabedoria da carne, mas pela graça de Deus, nós tivemos nossa conversa no mundo ". Até agora o apóstolo respeitando o conhecimento; e na segunda epístola aos Coríntios ele chama o comum "ensinamento da fé" o sabor do conhecimento. "Pois até hoje o mesmo véu permanece em muitos na leitura do Antigo Testamento", não sendo descoberto voltando-se para o Senhor. Portanto, também àqueles capazes de perceber, ele mostrou a ressurreição, a da vida ainda na carne, rastejando sobre sua barriga. Daí também ele aplicou o nome "ninhada de víboras" às voluptuosas, que servem ao ventre e ao pudendo, e cortam as cabeças umas das outras em prol dos prazeres mundanos. "Filhinhos, não amemos em palavra nem em língua", diz João, ensinando-os a serem perfeitos ", mas em obras e em verdade, por este meio saberemos que somos da verdade". E se "Deus seja amor", a piedade também é amor: "não há temor no amor; mas o amor perfeito lança fora o medo". "Este é o amor de Deus, que guardamos os Seus mandamentos." E novamente, àquele que deseja tornar-se um gnóstico, está escrito: "Mas sê um exemplo dos crentes, em palavra, em conversação, em amor, em fé, em pureza". Pois a perfeição na fé difere, penso eu, da fé comum. E o divino apóstolo fornece a regra para o gnóstico com estas palavras, escrevendo da seguinte maneira: "Pois aprendi, em qualquer estado que eu esteja, a estar contente. Eu sei tanto como ser humilhado quanto como abundar. e em todas as coisas sou instruído tanto para estar cheio como para ter fome, tanto para abundar como para carecer, tudo posso naquele que me fortalece ”. E também ao discutir com os outros para envergonhá-los, ele não se esquiva de dizer: "Mas lembre-se dos dias anteriores, em que, depois de ser iluminado, suportou uma grande luta de aflições; em parte, enquanto fostes feitos para contemplação, tanto por recriminações como por aflições, e em parte, quando fostes companheiros dos que eram assim usados, porque vós me compadecestes em minhas ataduras, e tomarei com alegria a destruição de vossos bens, sabendo que tu tens uma substância melhor e duradoura, não rejeites, pois, a vossa confiança, que tem grande recompensa por recompensa, porque tendes necessidade de paciência, para que, depois de fazer a vontade de Deus, cumpris a promessa. e quem vier virá e não tardará, e o justo viverá da fé; e, se alguém a recuar, a minha alma não terá prazer nele, mas nós não somos daqueles que recuam para a perdição, mas aqueles que acreditam na salvação da alma ". Ele então apresenta um enxame de exemplos divinos. Pois não foi "pela fé", diz ele, esta perseverança, que eles agiram nobremente que "tinham julgamento de escárnios e açoites e, além disso, de laços e prisões? Eles foram apedrejados, eles foram tentados, foram mortos com a espada Eles vagavam em peles de ovelhas e peles de cabras, sendo indigentes, aflitos, atormentados, dos quais o mundo não era digno, vagando em desertos, montanhas, cavernas e cavernas da terra. bom relatório, através da fé, não recebeu a promessa de Deus "(o que é expresso por uma parasiopesis é deixado para ser entendido, a saber," sozinho "). Ele acrescenta: "Deus providenciou algo melhor para nós (pois Ele era bom), que eles não deveriam ser perfeitos sem nós.

Por isso, tendo nos cercado uma tal nuvem, "santa e transparente", de testemunhas, deixando de lado todo peso, e o pecado que tão facilmente nos aflige, corramos com paciência a carreira diante de nós, olhando para Jesus, o autor e consumador da nossa fé. "Desde então, ele especifica uma salvação em Cristo dos justos, e de nós ele expressou o primeiro inequivocamente, e dizendo nada menos que respeitando Moisés, acrescenta:" Estimando o opróbrio de Cristo maiores riquezas do que os tesouros do Egito: pois ele tinha respeito pela recompensa da recompensa. Pela fé ele abandonou o Egito, não temendo a ira do rei, pois ele suportou como ver Aquele que é invisível. "A Sabedoria divina diz dos mártires," Eles pareciam aos olhos dos insensatos morrer, e sua partida foi contada uma calamidade e sua migração de nós uma aflição. Mas eles estão em paz. Pois, embora à vista dos homens eles fossem punidos, sua esperança estava cheia de imortalidade. "Ele então acrescenta, ensinando que o martírio é uma purificação gloriosa," E sendo castigados um pouco, eles serão muito beneficiados; porque Deus os provou, "isto é, permitiu que fossem julgados, para colocá-los à prova, e para envergonhar o autor de sua provação", e os achou dignos de Si mesmo, "claramente para serem chamados de filhos". ouro na fornalha Ele os provou, e como um todo oferta queimada de sacrifício Ele os aceitou. E no tempo de sua visitação eles brilharão, assim como as faíscas percorrem o restolho. Eles julgarão as nações e governarão os povos, e o Senhor reinará sobre eles para sempre.

CAPÍTULO XVII - PASSAGENS DA EPÍSTOLA DE CLEMENTE PARA OS CORÍNTIOS NO MARTÍRIO.

Além disso, na Epístola aos Coríntios, o Apóstolo Clemente também, tirando uma gravura do gnóstico, diz: "Pois quem ficou entre vós não provou a vossa fé perfeita e firme? E não admirou a vossa bondade e gentileza? e não celebrou o estilo munificente de sua hospitalidade e não lhe deu o pleno e seguro conhecimento? Pois fizestes todas as coisas com imparcialidade e andastes nas ordenanças de Deus; e assim por diante.

Então, mais claramente: "Vamos fixar nossos olhos naqueles que prestaram um serviço perfeito à Sua magnífica glória. Vamos levar Enoque, que, por sua obediência, foi considerado justo, foi traduzido, e Noé, que, tendo acreditado, foi salvo; e Abraão, que por sua fé e hospitalidade era chamado amigo de Deus e pai de Isaque. "Pela hospitalidade e piedade, Ló foi salvo de Sodoma." "Pela fé e hospitalidade, Raabe, a prostituta, foi salva." "De paciência e fé andavam em peles de cabras, peles de ovelhas e dobras de pêlos de camelo, proclamando o reino de Cristo. Denominamos Seus profetas Elias, Eliseu, Ezequiel e João."

"Porque Abraão, que por sua livre fé era chamado de 'amigo de Deus', não estava exaltado pela glória, mas modestamente disse: 'Sou pó e cinzas'. E de Jó está assim escrito: 'Jó era justo e irrepreensível, verdadeiro e piedoso, abstendo-se de todo mal'. ”Foi ele quem venceu o tentador pela paciência, e imediatamente testificou e foi testemunhado por Deus; que mantém a humildade e diz: "Ninguém é puro de corrupção, nem mesmo se a sua vida durar apenas um dia". "Moisés, o servo que era fiel em toda a sua casa", disse àquele que proferiu os oráculos da sarça: "Quem sou eu, quem me manda? Sou vagaroso na fala e gaguejar", ministrar a voz de Deus na fala humana e novamente: 'Eu sou fumaça de uma panela' "" Porque Deus resiste aos soberbos, mas dá graça aos humildes ".

Também Davi, de quem o Senhor testifica, diz: Eu encontrei um homem segundo o meu coração, Davi, filho de Jessé. Com o meu santo óleo o ungi. Mas também ele diz a Deus: "Piedade-me, ó Deus, segundo a tua misericórdia; e segundo a multidão das tuas misericórdias, apaga a minha transgressão. Lava-me completamente da minha iniqüidade e purifica-me do meu pecado. Pois eu conhece a minha transgressão e o meu pecado está sempre diante de mim. "Então, aludindo ao pecado que não está sujeito à lei, no exercício da moderação do verdadeiro conhecimento, ele acrescenta:" Contra Ti só pequei, e fiz o mal à Tua vista ". Pois a Escritura em algum lugar diz: "O Espírito do Senhor é uma lâmpada que busca os recessos do ventre." E quanto mais de um gnóstico um homem se torna fazendo o certo, mais próximo está o Espírito iluminador para ele. "Assim, o Senhor se aproxima dos justos, e nenhum dos pensamentos e raciocínios de que somos os autores escapam Dele - eu quero dizer o Senhor Jesus", o escrutinador por Sua vontade onipotente de nosso coração, "cujo sangue foi consagrado por Vamos, portanto, respeitar os que estão sobre nós e reverenciar os anciãos; honremos os jovens e ensinemos a disciplina de Deus. " Pois bem-aventurado é aquele que faz e ensina os mandamentos do Senhor dignamente; e ele é de uma mente magnânima e de uma mente contemplativa da verdade. "Dirijamos nossas esposas ao que é bom; mostrem", diz ele, "a disposição adorável da castidade; mostrem a vontade sincera de sua mansidão; manifestem a brandura de sua língua em silêncio; que dêem seu amor não de acordo com suas inclinações, mas amor igual em santidade a todos os que temem a Deus.Que nossos filhos compartilhem da disciplina que está em Cristo, que aprendam o que é a humildade diante de Deus, qual é o poder do amor santo diante de Deus quão amável e grande é o temor do Senhor, salvando a todos que caminham nele, com um coração puro: pois Ele é o Buscador dos pensamentos e sentimentos, cujo fôlego está em nós, e quando Ele quiser, Ele o tomará longe."

"Agora todas estas coisas são confirmadas pela fé que está em Cristo. 'Vem, ó crianças,' diz o Senhor ', ouve-me, e eu te ensinarei o temor do Senhor. Quem é o homem que deseja a vida, que ama ver bons dias? Então Ele une o mistério gnóstico dos números sete e oito: "Pare com a sua língua do mal, e os seus lábios do falar de malícia. Afastem-se do mal e façam o bem. Busquem a paz e sigam-na." Pois nestas palavras Ele alude ao conhecimento (gnosis), com a abstinência do mal e o fazer do que é bom, ensinando que deve ser aperfeiçoado por palavras e ações. 'Os olhos do Senhor estão sobre os justos, e os Seus ouvidos Mas a face de Deus é contra os que praticam o mal, para arrancar a sua memória da terra. O justo clamou, e o Senhor o ouviu e libertou-o de todas as suas aflições. ' 'Muitas são as marcas dos pecadores, mas aqueles que esperam no Senhor misericórdia devem compassar.' "" Uma multidão de misericórdia ", diz nobremente," rodeia aquele que confia no Senhor. "

Pois está escrito na Epístola aos Coríntios: "Por meio de Jesus Cristo, nossa mente tola e obscurecida surge para a luz. Por Ele, o Soberano Senhor desejou que provássemos o conhecimento que é imortal". E, mostrando mais expressamente a natureza peculiar do conhecimento, ele acrescentou: "Essas coisas, então, sendo claras para nós, olhando para as profundezas do conhecimento divino, devemos fazer todas as coisas em ordem que o Soberano Senhor nos mandou executar em as estações designadas, portanto, o sábio mostre a sua sabedoria não apenas em palavras, mas em boas ações. Não deixe que o humilde testemunhe a si mesmo, mas permita que o testemunho lhe seja dado por outro. Não deixe aquele que é puro em a carne se vangloria, sabendo que é outra que o fornece com continência. Vedes, irmãos, que quanto mais somos sujeitos a perigos, mais conhecimento somos considerados dignos.

CAPÍTULO XVIII - DO AMOR E DA REPRESSÃO DOS NOSSOS DESEJOS

"A tendência decorosa de nossa filantropia, portanto," de acordo com Clemente, "busca o bem comum"; seja sofrendo o martírio, seja ensinando por meio de atos e palavras, sendo este último duplo, não escrito e escrito. Isso é amor, amar a Deus e ao próximo. "Isto conduz à altura que é indizível. 'O amor cobre uma multidão de pecados. O amor suporta todas as coisas, sofre todas as coisas.' O amor se une a Deus, faz todas as coisas em concórdia. No amor, todos os escolhidos de Deus foram aperfeiçoados. Além do amor, nada é agradável a Deus. " "De sua perfeição não há desdobramento", diz-se. "Quem está em condições de ser encontrado, exceto aqueles a quem. Deus conta digno?" Ao ponto em que o apóstolo Paulo fala: "Se eu der meu corpo e não tiver amor, estou soando latão e címbalo tilintando". Se não é de uma disposição determinada pelo amor gnóstico que testifico, ele quer dizer; mas se pelo medo e pela recompensa esperada, movendo meus lábios a fim de testemunhar ao Senhor que devo confessar o Senhor, eu sou um homem comum, soando o nome do Senhor, sem conhecê-lo. "Pois há o povo que ama com os lábios, e há outro que dá o corpo para ser queimado". "E se eu der todos os meus bens em esmolas", diz ele, não de acordo com o princípio da comunicação amorosa, mas por causa da recompensa, seja por aquele que recebeu o benefício, seja pelo Senhor que prometeu; "e se eu tenho toda a fé, de modo a remover montanhas", e jogar fora as paixões obscuras, e não ser fiel ao Senhor por amor, "eu não sou nada", como na comparação daquele que testifica como um gnóstico, e a multidão e não sendo contado nada melhor.

"Agora, todas as gerações desde Adão até hoje se foram. Mas os que foram aperfeiçoados em amor, pela graça de Deus, ocupam o lugar do piedoso, que se manifestará na visitação do reino de Cristo." O amor permite não pecar; mas se cair em qualquer caso, por causa da interferência do adversário, em imitação de Davi, ele vai cantar: "Eu confessarei ao Senhor, e ele irá agradá-lo acima de um novilho que tem chifres e cascos Deixe o pobre vê-lo e ser feliz ". Pois ele diz: "Sacrifício a Deus, sacrifício de louvor, e pague ao Senhor os teus votos; e invoca-me no dia da angústia, e eu te livrarei, e tu me glorificarás". "Para o sacrifício de Deus é um espírito quebrado."

"Deus", então, sendo bom "é amor", diz-se. Cujo "amor não faz mal à sua vizinhança", nem ferindo nem vingando nunca, mas, em uma palavra, fazendo o bem a todos, de acordo com a imagem de Deus. "O amor é", então, "o cumprimento da lei", assim como Cristo, que é a presença do Senhor que nos ama; e nosso amoroso ensino e disciplina de acordo com Cristo. Por amor, então, os mandamentos de não cometer adultério e não cobiçar a esposa de um vizinho são cumpridos, [esses pecados sendo] anteriormente proibidos pelo medo.

O mesmo trabalho, então, apresenta uma diferença, conforme é feito pelo medo, ou realizado pelo amor, e é feito pela fé ou pelo conhecimento. Com razão, portanto, suas recompensas são diferentes. Para o gnóstico "estão preparados o que o olho não viu, nem o ouvido ouviu, nem entrou no coração do homem"; mas para aquele que exerceu fé simples, Ele testifica cem vezes em troca do que ele deixou - uma promessa que acabou por se enquadrar na compreensão humana. Venha a este ponto, recordo-me de alguém que se chamava de gnóstico. Pois, expondo as palavras: "Mas eu digo a você, aquele que olha para uma mulher para cobiçar, cometeu adultério", ele pensou que não era o desejo nu que foi condenado; mas se, através do desejo, o ato que resulta dele, indo além do desejo, é realizado nele. Pois o sonho emprega a fantasia e o corpo. Assim, os historiadores relatam a seguinte decisão, de Bocchoris o justo. Um jovem, apaixonado por uma cortesã, convence a moça, por uma recompensa estipulada, a ir até ele no dia seguinte. Mas seu desejo sendo inesperadamente saciado, ao segurar a menina em um sonho, por antecipação, quando o objeto de seu amor veio de acordo com a estipulação, ele a proibiu de entrar. Mas ela, ao saber o que tinha acontecido, exigiu a recompensa, dizendo que desta forma ela saciou o desejo do amante. Eles vieram de acordo com o juiz. Ele, ordenando que o jovem segurasse a bolsa contendo a recompensa no sol, ordenou à cortesã que pegasse a sombra; fazendo-lhe um gesto de lado, pagando a imagem de uma recompensa pela imagem de um abraço.

Por conseguinte, um sonha, a alma concordando com a visão. Mas ele sonha acordado, que parece tão à luxúria; não só, como dizia o gnóstico, se junto com a visão da mulher ele imagina em sua mente o intercurso, pois este já é o ato da luxúria, como luxúria; mas se alguém olha para a beleza da pessoa (a Palavra diz), e a carne lhe parece no caminho da concupiscência ser justo, olhando para a câmara e pecaminosamente, ele é julgado porque ele admirava. Pois, por outro lado, aquele que no amor casta olha para a beleza, não pensa que a carne é bela, mas o espírito, admirando, como julgo, o corpo como uma imagem, por cuja beleza ele se transporta para o Artista, e para a verdadeira beleza; exibindo o símbolo sagrado, a impressão brilhante de justiça aos anjos que esperam na ascensão; Quero dizer a unção de aceitação, a qualidade de disposição que reside na alma que é alegrada pela comunicação do Espírito Santo. Esta glória, que brilhava sobre a face de Moisés, o povo não podia olhar. Por isso ele tomou um véu para a glória, para aqueles que pareciam aliados. Para aqueles que exigem pedágio, prendam aqueles que trazem quaisquer coisas mundanas, que estão sobrecarregados com suas próprias paixões. Mas aquele que é livre de todas as coisas que estão sujeitas ao dever, e é cheio de conhecimento, e da justiça das obras, eles passam com seus bons desejos, abençoando o homem com o seu trabalho. "E a sua vida não cairá" - a folha da árvore viva que é nutrida "pelos cursos de água". Agora, o justo é comparado a árvores frutíferas, e não apenas àquelas que são da natureza das que crescem em altura. E nas oblações sacrificiais, de acordo com a lei, havia aqueles que procuravam por defeitos nos sacrifícios. Aqueles que são especializados em tais assuntos distinguem a propensão ( orexis ) da luxúria ( epiqumia ); e atribui o último, como sendo irracional, aos prazeres e licenciosidade; e a propensão, como sendo um movimento racional, atribuem às necessidades da natureza.

CAPÍTULO XIX - AS MULHERES E BEM COMO HOMENS CAPAZES DE PERFEIÇÃO.

Nesta perfeição, é possível que homem e mulher compartilhem igualmente. Não é só Moisés, então, que ouviu de Deus: "Eu tenho falado contigo uma vez, e duas vezes, dizendo: Eu vi este povo, e eis que ele é de dura cerviz. Sofre comigo para exterminá-los e apagar seu nome de debaixo do céu, e eu te farei uma grande e maravilhosa nação muito maior do que esta "; que não responde a respeito de si mesmo, mas a salvação comum: "De maneira alguma, ó Senhor, perdoa a este povo o seu pecado ou me desfaz do livro dos vivos". Quão grande era sua perfeição, em desejar morrer junto com o povo, em vez de ser salvo sozinho!

Mas também Judite, que se tornou perfeita entre as mulheres, no cerco da cidade, ao pedido dos anciãos, saiu ao acampamento dos estranhos, desprezando todo o perigo por causa de seu país, entregando-se às mãos do inimigo com fé em Deus; e logo obteve a recompensa de sua fé, embora uma mulher prevalecesse sobre o inimigo de sua fé e ganhasse a cabeça de Holofernes. E novamente, Ester, perfeita pela fé, que resgatou Israel do poder do rei e da crueldade do sátrapa: uma mulher sozinha, afligida por jejuns, reteve dez mil mãos armadas, anulando por sua fé o decreto do tirano; ele de fato ela apaziguou, Haman ela conteve, e Israel preservou insincera por sua oração perfeita para Deus. Passei em silêncio Susanna e a irmã de Moisés, uma vez que esta era a associada do profeta no comando do exército, sendo superior a todas as mulheres entre os hebreus que tinham reputação por sua sabedoria; e a primeira em sua modéstia, indo até a morte condenada por admiradores licenciosos, permaneceu o inabalável mártir da castidade.

Dion, também, o filósofo, conta que certa mulher, Lysidica, por excesso de modéstia, se banhava em suas roupas; e que Filotera, quando entrou no banho, recuou gradualmente a túnica enquanto a água cobria as partes nuas; e depois subindo gradualmente, coloque-o. E a Lesena da Ática não suportou a tortura? Ela estava a par da conspiração de Harmodius e Aristogeiton contra Hiparco, não proferiu uma palavra, apesar de severamente torturada. E eles dizem que as mulheres argólicas, sob a orientação de Telesilla, a poetisa, se voltaram para expulsar os espartanos espartanos, simplesmente mostrando-se; e que ela produziu neles destemor da morte. Da mesma forma fala aquele que compôs os Danais respeitando as filhas de Danaus: "E então as filhas de Danaus rapidamente se armaram, Diante do belo rio, majestoso Nilo", e assim por diante.

E o resto dos poetas canta a rapidez de Atalanta na perseguição, o amor de Anticlea pelas crianças, o amor de Alcestis pelo marido, a coragem de Makaeria e dos jacintos. Oque eu devo dizer? Será que Theano, o pitagórico, não fez tal progresso na filosofia, que para aquele que olhou atentamente para ela e disse: "Seu braço é lindo", ela respondeu: "Sim, mas não é público". Caracterizado pela mesma propriedade, também é relatada a seguinte resposta. Quando perguntada quando uma mulher, depois de estar com o marido, comparece à Thesmophoria, disse: "De seu marido imediatamente, de um estranho nunca". Themisto também, de Lampsacus, a filha de Zoilus, a esposa de Leontes de Lampsacus, estudou a filosofia epicurista, como Myia a filha de Theano o pitagórico, e Arignote, que escreveu a história de Dionysius.

E as filhas de Diodoro, que se chamava Cronos, tornaram-se todas dialeticas, como Philo, o dialetico, diz no Mrenexenus, cujos nomes sao mencionados a seguir - Menexene, Argia, Theognis, Artemesia, Pantaclea. Também me recordo de uma mulher cínica - ela se chama Hipparchia, maronita, esposa de Crates -, em cujo caso o chamado casamento de cachorro foi celebrado no Pcecile. Arete de Cirene, também, filha de Aristipo, educou seu filho Aristipo, que era de sobrenome materno. Lastheneia de Arcis, e Axiothea de Phlius, estudou filosofia com Platão. Além disso, Aspasia de Mileto, de quem os escritores da comédia escrevem muito, foi treinada por Sócrates em filosofia, por Péricles em retórica. Eu omito, por causa da duração do discurso, o resto; não enumerando nem as poetisas Corinna, Telesilla, Myia e Safo; nem os pintores, como Irene a filha de Cratinus, e Anaxandra a filha de Nealces, segundo a conta de Didymus no Symposiaci. A filha de Cleobulus, o sábio e monarca dos Lindii, não tinha vergonha de lavar os pés dos convidados de seu pai. Também a esposa de Abraão, a abençoada Sara, preparou em si os bolos assados ​​nas cinzas para os anjos; e donzelas principescas entre os hebreus alimentavam ovelhas. Daí também o Nausicaa de Homer foi para as banheiras.

A mulher sábia, então, ganha primeiro escolher persuadir seu marido a ser seu associado naquilo que conduz à felicidade. E se isso for considerado impraticável, que ela, por si mesma, busque sinceramente a virtude, obtendo o consentimento do marido em tudo, de modo a nunca fazer nada contra a sua vontade, com exceção do que é considerado como contribuição para a virtude e salvação. Mas se alguém se mantiver de tal modo de vida, seja mulher ou serva, cujo coração está posto sobre ela; O que tal pessoa, nesse caso, claramente não é mais do que determinar afastá-la da retidão e da sobriedade, e escolher tornar sua própria casa perversa e licenciosa.

Não é possível, então, que homem ou mulher possa estar familiarizado com qualquer coisa, sem a vantagem da educação, da aplicação e do treinamento; e a virtude, dissemos, não depende dos outros, mas de nós mesmos acima de tudo. Outras coisas que alguém pode reprimir, travando uma guerra contra elas; mas com o que depende de si mesmo, isso está totalmente fora de questão, mesmo com a persistência mais extenuante. Pois o presente é um conferido por Deus e não no poder de outro. De onde a licenciosidade deve ser considerada como o mal de nenhum outro do que daquele que é culpado de licenciosidade; e temperança, por outro lado, como o bem daquele que é capaz de praticá-lo.

CAPÍTULO XX - UMA BOA ESPOSA

A mulher que, com propriedade, ama o marido, descreve Eurípides, enquanto admoesta: "Quando o marido disser alguma coisa, ela deve considerá-lo como falando bem se ela não disser nada; e se ela disser alguma coisa, fazer o esforço dela". para gratificar o marido ".

E mais uma vez ele acrescenta o mesmo: "E que a esposa deve docemente parecer triste com o marido, Se algo de mal acontecer a ele, E tiver em comum uma parte de tristeza e alegria".

Então, descrevendo-a como gentil e amável mesmo em infortúnios, ele acrescenta: "E eu, quando estiver doente, testarei sua doença e compartilharei sua doença; e suportarei minha parte em seus infortúnios".

E: "Nada é amargo para mim, pois com os amigos alguém deve ser feliz, pois o que mais é amizade, mas isso?"

O casamento, então, que é consumado de acordo com a palavra, é santificado, se a união estiver sob sujeição a Deus, e ser conduzido "com um coração verdadeiro, em plena certeza de fé, tendo corações aspergidos de uma consciência maligna, e corpo lavado com água pura, e segurando a confissão de esperança, pois Ele é fiel que prometeu ". E a felicidade do casamento nunca deve ser estimada por riqueza ou beleza, mas por virtude.

"A beleza", diz a tragédia, "não ajuda a esposa com o marido; mas a virtude ajudou muitos; pois toda boa esposa apegada ao marido sabe como exercer a sobriedade".

Então, como dando advertências, ele diz: "Primeiro, então, cabe a ela quem é dotado de mente, Que mesmo que seu marido seja feio, ele deve parecer bem; Pois é para a mente, não para o olho, julgar." E assim por diante.

Pois com perfeita propriedade as Escrituras dizem que a mulher é dada por Deus como "uma ajuda" ao homem. É evidente, então, na minha opinião, que ela se encarregará de remediar, com bom senso e persuasão, cada um dos aborrecimentos que se originam do marido na economia doméstica. E se ele não ceder, então ela se esforçará, na medida do possível pela natureza humana, para levar uma vida sem pecado; se é necessário morrer de acordo com a razão ou viver; considerando que Deus é seu ajudador e associado em tal curso de conduta, seu verdadeiro defensor e salvador tanto para o presente quanto para o futuro; fazendo dele o líder e guia de todas as suas ações, considerando a sobriedade e a retidão de seu trabalho, e fazendo do favor de Deus o seu fim. Graciosamente, portanto, o apóstolo diz na Epístola a Tito: "Que as mulheres devas sejam de comportamento piedoso, não devem ser caluniadoras, não escravas de muito vinho, que devem aconselhar as jovens a serem amantes de seus maridos, amantes de seus filhos, discretos, castos, domésticos, bons, sujeitos a seus próprios maridos, para que a palavra de Deus não seja blasfemada ”. Mas sim, ele diz: "Siga a paz com todos os homens e santidade, sem a qual ninguém verá o Senhor: olhando diligentemente, para que não haja qualquer fornicador ou profano, como Esaú, que por um mísculo rendeu o seu direito de primogenitura; e qualquer raiz de amargura brotando te perturbará e, assim, muitos se contaminarão. E então, como colocar o golpe final na questão sobre o casamento, ele acrescenta:

"O casamento é honroso em todos ea cama sem mácula: mas os adúlteros e adúlteros Deus os julgará."

E um objetivo e um fim, no que diz respeito à perfeição, demonstrando pertencer ao homem e à mulher, Pedro em sua epístola diz: "Embora agora, por um período, se necessário, vocês estão em peso através de múltiplas tentações; a prova da vossa fé, sendo muito mais preciosa do que a do ouro que perece, embora se provenha com fogo, se pode achar para louvor, honra e glória na revelação de Jesus Cristo, a quem, não tendo visto, é amor nos quais, embora agora não o vedes, crendo, exultais com alegria indizível e plena de glória, recebendo o fim de vossa fé, a salvação de vossas almas. Por isso, também Paulo se alegra, por amor a Cristo, de que ele estava "em obras, mais abundantemente, em listras acima da medida, na morte de todos".

CAPÍTULO XXI - DESCRIÇÃO DO HOMEM PERFEITO OU GNÓSTICO.

Aqui eu encontro a perfeição apreendida variadamente em relação àquele que se destaca em todas as virtudes. Assim, a pessoa é aperfeiçoada como piedosa, paciente, continente, operária, mártir e gnóstica. Mas eu não conheço nenhum homem perfeito em todas as coisas ao mesmo tempo, enquanto ainda humano, embora de acordo com a mera letra da lei, exceto somente aquele que por nós se revestiu de humanidade. Quem então é perfeito? Aquele que professa abstinência do que é ruim. Bem, este é o caminho para o Evangelho e para o bem. Mas a perfeição gnóstica no caso do homem legal é a aceitação do Evangelho, que aquele que está depois da lei pode ser perfeito. Pois assim, aquele que estava após a lei, Moisés, predisse que era necessário ouvir para que pudéssemos, de acordo com o apóstolo, receber a Cristo, a plenitude da lei. Mas agora, no Evangelho, o gnóstico obtém proficiência não apenas fazendo uso da lei como um passo, mas compreendendo-a e compreendendo-a, assim como o Senhor que deu o Convênio a entregou aos apóstolos. E se ele se comportar corretamente (como seguramente é impossível alcançar conhecimento (gnosis) por má conduta); e se, além disso, tiver feito uma confissão eminentemente correta, ele se tornará um mártir por amor, obtendo considerável renome entre os homens; nem mesmo assim ele será chamado perfeito na carne de antemão; já que é o fim da vida que reivindica esta denominação, quando o mártir gnóstico mostrou pela primeira vez o trabalho perfeito, e justamente o exibiu, e tendo felizmente derramar seu sangue, rendeu o fantasma: abençoado então ele será, e verdadeiramente proclamado perfeito, "para que a excelência do poder seja de Deus e não de nós", como diz o apóstolo. Somente preservemos o livre arbítrio e o amor: "perturbados de todos os lados, mas não angustiados; perplexos, mas não desesperados; perseguidos, mas não esquecidos, abatidos, mas não destruídos." Para aqueles que se esforçam após a perfeição, de acordo com o mesmo apóstolo, devem "não ofender com coisa alguma, mas em tudo não se aprovam aos homens, mas a Deus". E, como conseqüência, também eles devem ceder aos homens; porque é razoável, por causa de calúnias abusivas: Eis a especificação: "com muita paciência, nas aflições, nas necessidades, nas aflições, nas rédeas, nas prisões, nos tumultos, nos trabalhos, nas vigílias, nos jejuns, na pureza , no conhecimento, na longanimidade, na bondade, no Espírito Santo, no amor não fingido, na palavra da verdade, no poder de Deus, "para que sejamos os templos de Deus, purificados" de toda a imundícia do mundo. carne e do espírito "."E eu", diz ele, "receber-te-ei e serei para vós como pai, e vós sereis para mim filhos e filhas, diz o Senhor Todo-Poderoso." "Vamos então", diz ele, "perfeita santidade no temor de Deus". Pois embora o medo produza dor, "eu me regozijo", ele diz, "não que você tenha se arrependido, mas que tenha mostrado suscetibilidade ao arrependimento. Porque você sofreu depois de um tipo piedoso, para receber dano de nós em nada. a dor opera o arrependimento para a salvação, não para se lamentar, mas a tristeza do mundo opera a morte.Pois a mesma coisa que vós sofrestes de um modo piedoso, que sinceridade operou em vós, sim, que compensação de vós mesmos, sim, que compunção; sim, que medo, sim, que desejo, sim, que zelo, sim, vingança!Em todas as coisas mostrastes a vocês mesmos o assunto. "Tais são os exercícios preparatórios da disciplina gnóstica. E desde o próprio Deus onipotente" deu alguns apóstolos, e alguns profetas, e alguns evangelistas, e alguns pastores e mestres, para o aperfeiçoamento dos santos, para o trabalho do ministério, para a edificação do corpo de Cristo, até que todos nós alcancemos a unidade da fé, e do conhecimento do Filho de Deus, para um homem perfeito, à medida de a estatura da plenitude de Cristo; "devemos então nos esforçar para alcançar a masculinidade como convém ao gnóstico, e ser o mais perfeito que pudermos enquanto ainda permanecemos na carne, tornando aqui nosso estudo com perfeita concordância para concordar com a vontade de Deus, para a restauração do que é a verdadeiramente perfeita nobreza e relacionamento, para a plenitude de Cristo,aquilo que perfeitamente depende da nossa perfeição.

E agora percebemos onde, e como, e quando o divino apóstolo menciona o homem perfeito, e como ele mostra as diferenças do perfeito. E novamente, por outro lado: "A manifestação do Espírito é dada para nosso proveito. Porque a alguém é dada a palavra de sabedoria pelo Espírito; a outra a palavra de conhecimento segundo o mesmo Espírito; a outra fé pela mesmo Espírito, a outrem os dons de cura pelo mesmo Espírito, a outro a operação de milagres, a outra profecia, a outro discernimento de espíritos, a outras diversidades de línguas, a outro a interpretação de línguas, e todas estas obras e o mesmo Espírito, distribuindo a cada um conforme Ele quer. ”“ Sendo assim, os profetas são perfeitos em profecia, os justos em retidão e os mártires em confissão,e outros na pregação, não que eles não sejam compartilhadores das virtudes comuns, mas sejam proficientes naqueles para os quais foram designados. Para que homem em seus sentidos diria que um profeta não era justo? Para quê?não homens justos como Abraão profetizaram?

"Para um Deus deu atos de guerra, Para outro a realização da dança, Para outro a lira e canção", diz Homer. "Mas cada um tem seu próprio dom de Deus" - um de um jeito, outro de outro. Mas os apóstolos foram aperfeiçoados em todos. Você encontrará, então, se escolher, em seus atos e escritos, conhecimento, vida, pregação, justiça, pureza, profecia. Nós devemos saber, então, que se Paulo é 'jovem em relação ao tempo - tendo florescido imediatamente após a ascensão do Senhor - ainda assim seus escritos dependem do Antigo Testamento, respirando e falando deles. Porque a fé em Cristo e o conhecimento do Evangelho são a explicação e o cumprimento da lei; e, portanto, foi dito aos hebreus: "Se não crerdes, não entenderás;" isso é,a menos que você acredite no que é profetizado na lei, e oracularmente entregue pela lei, você não entenderá o Antigo Testamento, o qual Ele por Sua vinda expôs.

CAPÍTULO XXII - O VERDADEIRO GNÓSTICO FAZ BOM, NÃO DE MEDO DE PUNIÇÃO OU ESPERANÇA DE RECOMPENSA, MAS APENAS PARA O AMOR DO BEM EM SI.

O homem de compreensão e perspicácia é, então, um gnóstico. E o seu negócio não é a abstinência do que é mau (pois isto é um passo para a perfeição mais elevada), ou o fazer do bem por medo. Porque está escrito: Para onde fugirei, e onde me esconderei da tua presença? Se subir ao céu, eis que, se eu for para os confins do mar, eis a tua destra; Eu desço às profundezas, existe o Teu Espírito ". Tampouco mais ele deve fazê-lo com a esperança da recompensa prometida. Porque é dito: Eis aqui o Senhor, e o seu galardão está diante do seu rosto, para dar a cada um segundo as suas obras. Que olhos nunca ouviram, e ouvidos não ouviram, nem penetraram no coração do homem. Deus preparou para aqueles que O amam ". Mas só fazendo o bem por amor,e por causa de sua própria excelência, é ser a escolha do gnóstico. Agora, na pessoa de Deus, é dito ao Senhor: "Pede de mim, e eu darei as nações por herança"; ensinando-lhe a pedir um pedido verdadeiramente real - isto é, a salvação dos homens sem preço, para que possamos herdar e possuir o Senhor. Pelo contrário, desejar o conhecimento sobre Deus para qualquer propósito prático, que isso possa ser feito, ou que não possa ser feito, não é apropriado ao gnóstico; mas o conhecimento em si é suficiente como razão para a contemplação. Pois ousarei afirmar que não é porque ele deseja ser salvo que ele, que se dedica ao conhecimento em prol da própria ciência divina, escolhe o conhecimento. Pois o esforço do intelecto pelo exercício é prolongado para um esforço perpétuo.E o esforço perpétuo do intelecto é a essência de um ser inteligente, que resulta de um processo ininterrupto de mistura, e permanece a contemplação eterna, uma substância viva. Poderíamos, então, supor qualquer um que proponha ao gnóstico se ele escolheria o conhecimento de Deus ou a salvação eterna; e se estes, que são inteiramente idênticos, fossem separáveis, ele escolheria sem o mínimo hesitar o conhecimento de Deus, considerando aquela propriedade da fé, que, do amor, ascende ao conhecimento, desejável, por si só. Esta, então, é a primeira forma de fazer o bem do homem perfeito, quando isso não é feito por qualquer vantagem no que lhe diz respeito, mas porque ele julga certo fazer o bem; e a energia sendo vigorosamente exercida em todas as coisas, no próprio ato torna-se boa; não é bom em algumas coisas e não é bom em outras;mas consistindo no hábito de fazer o bem, nem para a glória, nem, como dizem os filósofos, para a reputação, nem da recompensa dos homens ou de Deus; mas de modo a passar a vida após a imagem e semelhança do Senhor.

E se, fazendo o bem, ele se deparar com qualquer coisa adversa, ele deixará a recompensa passar sem ressentimento como se fosse boa, sendo justo e bom "para o justo e o injusto". Para tal, o Senhor diz: "Sede como vosso Pai é perfeito".

Para ele a carne está morta; mas ele mesmo vive sozinho, tendo consagrado o sepulcro em templo santo ao Senhor, voltado para Deus a velha alma pecaminosa.

Tal pessoa não é mais continente, mas atingiu um estado de impiedade, esperando para colocar a imagem divina. "Se tu deres esmola", diz-se, "ninguém o saiba; e se fores mais rápido, unge-te a ti mesmo, para que somente Deus possa saber", e não um único ser humano. Nem ele mesmo, que demonstra misericórdia, deve saber que ele demonstra misericórdia; pois desta forma ele será às vezes misericordioso, às vezes não. E quando ele fizer o bem pelo hábito, ele imitará a natureza do bem, e sua disposição será sua natureza e sua prática. Não há necessidade de remover aqueles que são elevados em alta, mas há necessidade para aqueles que estão caminhando para alcançar o objetivo requerido, passando por todo o caminho estreito. Para isto é ser desenhado pelo Pai, para se tornar digno de receber o poder da graça de Deus,de modo a correr sem impedimentos. E se alguns odeiam os eleitos, tal pessoa conhece sua ignorância e se apieda de sua insensatez.

Assim sendo, o próprio conhecimento ama e ensina o ignorante e instrui toda a criação a honrar a Deus Todo-Poderoso. E se tal alguém ensina a amar a Deus, ele não terá a virtude como uma coisa a ser perdida em qualquer caso, seja desperta ou em sonho, ou em qualquer visão; já que o hábito nunca sai de si mesmo por deixar de ser um hábito. Se, então, se diz que o conhecimento é hábito ou disposição; por conta de diversos sentimentos que nunca obtêm acesso, o corpo docente, permanecendo inalterado, não admite qualquer alteração de aparências ao enquadrar em sonhos concepções visionárias a partir de seus movimentos de dia. Por isso também o Senhor ordena "observar", para que nossa alma nunca seja perturbada com paixão, mesmo em sonhos; mas também manter a vida da noite pura e imaculada, como se passasse o dia. Para assimilação a Deus, tanto quanto pudermos,é preservar a mente em sua relação com as mesmas coisas. E esta é a relação da mente como mente.

Mas a variedade de disposição surge da afeição desordenada às coisas materiais. E por esta razão, como me parecem, ter chamado a noite Euphrone; desde então, a alma, liberada das percepções dos sentidos, se volta para si mesma e possui uma inteligência mais verdadeira ( Fronhsis). Portanto, os mistérios são em sua maior parte celebrados à noite, indicando a retirada da alma do corpo, que acontece à noite. "Não durmamos, pois, como os demais, mas vigiemos e sejamos sóbrios. Pois os que dormem dormem à noite; e os que estão embriagados embebedam-se de noite. Mas nós, que somos do dia, sóbrio, vestindo a couraça da fé e do amor, e como capacete a esperança da salvação. " E quanto ao que, mais uma vez, dizem do sono, as mesmas coisas devem ser entendidas da morte. Para cada um exibe a partida da alma, o mais um, o outro menos; como também podemos entender isso em Heráclito: "O homem toca a noite em si mesmo, quando morto e sua luz apagada; e vivo, quando dorme, toca os mortos; e acordado, quando fecha os olhos, toca o dorminhoco". "Pois bem-aventurados os que viram o Senhor ", segundo o apóstolo", pois é hora de acordarmos do sono. Por enquanto é a nossa salvação mais perto do que quando acreditamos. A noite está longe, o dia está chegando. Por isso, rejeitemos as obras das trevas e vistamos a armadura da luz. "Por dia e luz ele designa figurativamente o Filho e, pela armadura da luz, metaforicamente as promessas.

Por isso é dito que devemos ser lavados para sacrifícios e orações, limpos e brilhantes; e que este adorno e purificação externos são praticados por um sinal. Agora a pureza é pensar em pensamentos santos. Além disso, há a imagem do batismo, que também foi transmitida aos poetas de Moisés da seguinte forma: "E ela, tendo puxado água, e vestindo em seu corpo roupas limpas".

É Penelope que vai orar: "E Telêmaco, depois de lavar as mãos no mar, orou a Atena".

Era costume dos judeus lavar freqüentemente depois de estarem na cama. Foi então bem dito: "Seja puro, não lavando a água, mas na mente".

Pois a santidade, como eu a concebo, é perfeita pureza de espírito, e ações, e pensamentos, e palavras também, e em seu último grau sem pecado em sonhos.

E uma purificação suficiente para um homem, eu acho, é um arrependimento completo e seguro. Se, condenando a nós mesmos por nossas ações anteriores, nós seguimos em frente, depois de essas coisas pensarem, e despojando nossa mente, tanto das coisas que nos agradam através dos sentidos, como de nossas transgressões anteriores.

Se, então, devemos dar a etimologia de episthmh , conhecimento, sua significação deve ser derivada de stasiu , colocando; pois a nossa alma, que antes era suportada, agora de um jeito, agora de outro, instala-se em objetos. Da mesma forma, a fé deve ser explicada etimologicamente, como o estabelecimento ( stasiu ) de nossa alma, respeitando aquilo que é.

Mas desejamos aprender sobre o homem que é sempre e em todas as coisas justo; que, não temendo a pena decorrente da lei, nem temendo entreter o ódio do mal no caso daqueles que vivem com ele e que processam os feridos, nem temendo o perigo nas mãos daqueles que cometem erros, permanece justo. Para aquele que, por causa dessas considerações, se abstém de qualquer coisa errada, não é voluntariamente gentil, mas é bom por medo. Até mesmo Epicuro diz que o homem que, em sua opinião, era sábio, "não faria mal a ninguém por causa do ganho; pois não podia se convencer de que escaparia à detecção". Então, se ele soubesse que não seria detectado, ele faria, de acordo com ele, o mal. E tais são as doutrinas das trevas. Se tambémninguém deve abster-se de fazer o mal da esperança da recompensa dada por Deus por causa de atos justos, ele não é nesta suposição espontâneamente boa. Pois assim como o medo faz aquele homem justo, então a recompensa faz este; ou melhor, faz com que pareça ser justo. Mas com a esperança após a morte - uma boa esperança para o bem, para o mal ao contrário - não apenas os que seguem a sabedoria bárbara, mas também os pitagóricos, estão familiarizados. Pois os últimos também propuseram a esperança como um fim para aqueles que filosofam. Enquanto Sócrates também, no Fédon, diz "que as boas almas partem daqui com uma boa esperança"; e novamente, denunciando os ímpios, ele coloca contra isso a afirmação: "Pois eles vivem com uma esperança perversa". Com ele, Heráclito concorda manifestamente em suas dissertações sobre os homens: "Lá espera o homem após a morte o que eles nem esperam nem pensam.

Portanto, divinamente, Paulo escreve expressamente: "A tribulação opera, paciência e paciência experimenta e experimenta esperança; e a esperança não se envergonha".

Pois a paciência é por causa da esperança no futuro. Agora a esperança é sinônimo da recompensa e restituição da esperança; o qual não se envergonha, não sendo mais vilificado.

Mas aquele que obedece ao simples chamado, como é chamado, nem por medo, nem por prazeres, está a caminho do conhecimento ( gnwsiu). Pois ele não considera se algum ganho lucrativo extrínseco ou prazer se segue a ele; mas atraído pelo amor dAquele que é o verdadeiro objeto do amor, e levado ao que é requerido, pratica a piedade. De modo que nem nós deveríamos supor que ele recebesse de Deus permissão para fazer coisas proibidas com impunidade; nem mesmo se ele recebesse a promessa de que receberia como recompensa as coisas boas dos abençoados; mas além disso, nem mesmo se ele pudesse se convencer de que Deus seria enganado com referência ao que ele faz (o que é impossível), ele desejaria fazer algo contrário à razão certa, tendo feito uma vez escolha do que é verdadeiramente bom e digno? de escolha por conta própria e, portanto, para ser amado. Pois não é na comida do ventre que ouvimos dizer que é bom estar situado. Mas ele ouviu que "a carne não nos recomendará"nem casamento, nem abstinência de casamento na ignorância; mas conduta gnóstica virtuosa. Pois o cão, que é um animal irracional, pode ser considerado continente, temendo a vara erguida e, portanto, mantendo-se longe da carne. Mas deixe que a promessa prevista seja tirada, e o temor ameaçado seja cancelado, e o perigo iminente removido, e a disposição de tais pessoas será revelada.

CAPÍTULO XXIII - O MESMO ASSUNTO CONTINUOU.

Pois não é adequado à natureza da coisa em si, que eles devem apreender da maneira verdadeiramente gnóstica a verdade, que todas as coisas que foram criadas para nosso uso são boas; como, por exemplo, casamento e procriação, quando usado com moderação; e que é melhor que eu me torne livre da paixão e virtuoso pela assimilação ao divino. Mas no caso de coisas externas, agradáveis ​​ou desagradáveis, de algumas se abstêm, outras não. Mas naquelas coisas das quais eles se abstêm de repugnância, eles claramente encontram defeitos na criatura e no Criador; e embora na aparência andem fielmente, a opinião que mantêm é ímpia. Aquela ordem, "Não cobiçarás", não precisa nem da necessidade que surge do medo, que obriga a manter as coisas que são agradáveis; nem a recompensaque por promessa convence a restringir os impulsos da paixão.

E aqueles que obedecem a Deus através da promessa, atraídos pela isca do prazer, escolhem a obediência não por causa do mandamento, mas por causa da promessa. Tampouco se afastar dos objetos dos sentidos, por uma questão de conseqüência necessária, produzir apego aos objetos intelectuais. Pelo contrário, o apego aos objetos intelectuais torna-se naturalmente para o gnóstico uma influência que se afasta dos objetos do sentido; na medida em que ele, em virtude da seleção do que é bom, escolheu o que é bom de acordo com o conhecimento ( gnwstikwu), admirando a geração e santificando o Criador, santificando a assimilação ao divino. Mas eu me livrarei da luxúria, diga, ó Senhor, por amor de aliança com Ti. Pois a economia da criação é boa e todas as coisas são bem administradas: nada acontece sem uma causa. Eu devo estar no que é teu, ó onipotente. E se eu estou lá, estou perto de Ti. E eu estaria livre do medo de poder me aproximar de Ti e ficar satisfeita com pouco, praticando Tua justa escolha entre coisas boas e coisas semelhantes.

Direito misticamente e sagrada o apóstolo, ensinando-nos a escolha que é verdadeiramente graciosa, não no caminho da rejeição de outras coisas como más, mas de modo a fazer as coisas melhor do que o que é bom, tem falado, dizendo: "Então aquele que dá a sua virgem no casamento faz bem, e aquele que a não faz melhor, quanto a respeito e negligência no Senhor. "

Agora sabemos que as coisas difíceis não são essenciais; mas as coisas que são essenciais foram graciosamente facilitadas para a realização de Deus. Por isso, Demócrito bem diz que "natureza e instrução" são como o outro. E nós brevemente atribuímos a causa. A instrução harmoniza o homem e, harmonizando-o, torna-o natural; e não importa se alguém foi feito por natureza ou transformado pelo tempo e pela educação. O Senhor forneceu os dois; aquilo que é por criação, e aquilo que é criando novamente e renovando através da aliança. E isso é preferível, o que é vantajoso para o que é superior; mas o que é superior a tudo é a mente. Então, o que é realmente bom é visto como mais agradável, e por si mesmo produz o fruto que é desejado - a tranquilidade da alma. "E quem me ouve,"é dito," deve descansar em paz, confiante e deve ser calmo, sem medo de qualquer mal. "" Confie com todo o teu coração e tua mente em Deus. "

On this wise it is possible for the Gnostic already to have become God. "I said, Ye are gods, and sons of the highest." And Empedocles says that the souls of the wise become gods, writing as follows: "At last prophets, minstrels, and physicians, And the foremost among mortal men, approach; Whence spring gods supreme in honours."

O homem, então, geneticamente considerado, é formado de acordo com a idéia do espírito connato. Pois ele não é criado sem forma e disforme na oficina da natureza, onde misticamente a produção do homem é realizada, tanto a arte quanto a essência são comuns. Mas o homem individual está estampado de acordo com a impressão produzida na alma pelos objetos de sua escolha. Assim dizemos que Adão foi perfeito, no que diz respeito à sua formação; pois nenhuma das características distintivas da ideia e forma do homem lhe estavam querendo; mas no ato de vir a ser, ele recebeu a perfeição. E ele foi justificado pela obediência; isso estava atingindo a masculinidade, na medida em que dependia dele. E a causa estava em sua escolha e, especialmente, em sua escolha do que era proibido. Deus não foi a causa.

Pois a produção é dupla - de coisas procriadas e de coisas que crescem. E a masculinidade no homem, que está sujeito à perturbação, como dizem, torna aquele que dela participa essencialmente destemido e invencível; e a raiva é o satélite da mente em paciência e perseverança, e assim por diante; e auto-restrição e sentido salutar são estabelecidos sobre o desejo. Mas Deus é impassível, livre de raiva, destituído de desejo. E Ele não está livre de medo, no sentido de evitar o que é terrível; ou temperado, no sentido de ter o comando dos desejos. Pois nem a natureza de Deus pode cair com algo terrível, nem Deus foge do medo; assim como Ele não sentirá desejo, de modo a governar os desejos.

Assim, o dito pitagórico era misticamente proferido respeitando-nos, "que o homem deveria se tornar um"; porque o próprio sumo sacerdote é um, sendo Deus um no estado imutável do fluxo perpétuo ou coisas boas. Agora o Salvador tirou a ira e a luxúria, a ira sendo a vingança.

Pois a responsabilidade universal pelo sentimento pertence a todo tipo de desejo; e o homem, quando deificado puramente em um estado sem paixão, se torna uma unidade. Como, então, aqueles que no mar estão presos por uma âncora, puxam a âncora, mas não a arrastam para eles, mas se arrastam para a âncora; assim, aqueles que, de acordo com a vida gnóstica, atraem a Deus em direção a eles, imperceptivelmente se entregam a Deus: pois quem reverencia a Deus reverencia a si mesmo. Na vida contemplativa, então, alguém na adoração a Deus atende a si mesmo, e através de sua própria purificação imaculada contempla o Santo Deus santamente; para o autocontrole, estar presente, inspecionar e contemplar-se ininterruptamente, é, na medida do possível, assimilado a Deus.

CAPÍTULO XXIV - A RAZÃO E FIM DAS PUNIÇÕES DIVINAS.

Agora, isso está em nosso poder, do qual igualmente com seu oposto somos mestres - como, digamos, filosofar ou não, acreditar ou não acreditar. Em conseqüência, então, de sermos igualmente mestres de cada um dos opostos, o que depende de nós é considerado possível. Agora, os mandamentos podem ser feitos ou não feitos por nós, que, como é razoável, são passíveis de louvar e culpar. E aqueles, novamente, que são punidos por causa dos pecados cometidos por eles, são punidos apenas por eles; pois o que é feito é passado e o que é feito nunca pode ser desfeito.

Os pecados cometidos antes da fé são, portanto, perdoados pelo Senhor, não para que possam ser desfeitos, mas como se não tivessem sido feitos. "Mas não todos", diz Basilides, "mas somente os pecados involuntários e na ignorância são perdoados"; como seria o caso se fosse um homem, e não Deus, que conferisse tal benefício. Para tal uma Escritura diz: "Tu pensaste que eu seria como ti".

Mas se somos punidos por pecados voluntários, somos punidos não porque os pecados cometidos podem ser desfeitos, mas porque foram feitos. Mas a punição não serve para aquele que pecou, ​​para desfazer seu pecado, mas para que ele não peque mais, e que ninguém mais caia em coisas semelhantes. Portanto, o bom Deus corrige essas três causas: primeiro, que aquele que é corrigido pode tornar-se melhor do que o seu eu anterior; então, aqueles que são capazes de serem salvos por exemplos podem ser repelidos, sendo admoestados; e em terceiro lugar, aquele que é ferido não pode ser prontamente desprezado e estar apto a receber dano. E há dois métodos de correção - o instrutivo e o punitivo, que chamamos de disciplinar. Deve-se saber, então, que aqueles que caem em pecado após o batismo são aqueles que são submetidos à disciplina;pois as ações feitas antes são remetidas e as feitas depois são removidas. É em referência aos incrédulos que se diz "que eles são contados como o joio que o vento move da face da terra, e a gota que cai de um vaso".

CAPÍTULO XXV - A verdadeira perfeição consiste no conhecimento e no amor de Deus.

"Feliz aquele que possui a cultura do conhecimento, e não é movido para o dano dos cidadãos ou para ações erradas, mas contempla a ordem indecorosa da natureza imortal, como e de que maneira e maneira subsiste. Para tal, a prática da base os atos não atribuem, "corretamente, então, Platão diz," que o homem que se dedica à contemplação de idéias viverá como um deus entre os homens; agora a mente é o lugar das idéias, e Deus é a mente ". Ele diz que quem contempla o Deus invisível vive como um deus entre os homens. E no Sofista, Sócrates chama o estranho de Elea, que era um dialético, "deus": "Tais são os deuses que, como hóspedes estrangeiros, freqüentam cidades. Para quando a alma, elevando-se acima da esfera da geração, é por si mesma além, e habita em meio a idéias ", como o Coryphaeus em Theaetetus,Torna-se agora como um anjo, será com Cristo, sendo arrebatado em contemplação, sempre tendo em vista a vontade de Deus; na realidade "Sozinho sábio, enquanto estes voam como sombras."

"Pois os mortos enterram seus mortos." Donde Jeremias diz: "Eu vou preenchê-lo com os mortos nascidos na terra a quem minha ira feriu". Deus, então, não sendo um sujeito para demonstração, não pode ser o objeto da ciência. Mas o Filho é sabedoria e conhecimento e verdade, e tudo o mais que tem afinidade com isso. Ele também é suscetível de demonstração e de descrição. E todos os poderes do Espírito, tornando-se coletivamente uma coisa, terminam no mesmo ponto - isto é, no Filho. Mas ele é incapaz de ser declarado, no que diz respeito à idéia de cada um de seus poderes. E o Filho não é simplesmente uma coisa como uma coisa, nem muitas coisas como partes, mas uma coisa como todas as coisas; de onde também é todas as coisas. Pois Ele é o círculo de todos os poderes reunidos e unidos em uma só unidade. Portanto, a Palavra é chamada de Alfa e Ômega,de quem sozinho o fim se torna o começo, e termina novamente no começo original sem qualquer interrupção. Portanto, também crer Nele, e por Ele, é tornar-se uma unidade, estando indissoluvelmente unidos Nele; e descrer é ser separado, separado, dividido.

"Portanto, assim diz o Senhor: Todo filho estrangeiro é incircunciso de coração e incircunciso em carne" (isto é, imundo de corpo e alma): "Não entrará um dos estrangeiros no meio da casa de Israel, mas os Leritas ". Ele chama aqueles que não acreditam, mas não acreditam, estranhos. Somente aqueles que vivem puramente sendo verdadeiros sacerdotes de Deus. Portanto, de todas as tribos circuncidadas, os ungidos para serem sumos sacerdotes, reis e profetas foram contados como santos. De onde Ele os ordena a não tocar em cadáveres ou aproximar-se dos mortos; não que o corpo estivesse poluído, mas que o pecado e a desobediência estavam encarnados, encarnados e mortos e, portanto, abomináveis.

Foi só então quando um pai e mãe, um filho e uma filha morreram, que o padre foi autorizado a entrar, porque estes eram relacionados apenas por carne e semente, a quem o padre estava em dívida pela causa imediata de sua entrada vida. E eles se purificam sete dias, o período em que a Criação foi consumada. Porque no sétimo dia o resto é celebrado; e no oitavo ele traz uma propiciação, como está escrito em Ezequiel, segundo a qual propiciação a promessa deve ser recebida. E a propiciação perfeita, eu entendo, é aquela fé propícia no Evangelho que é pela lei e os profetas, e a pureza que se mostra em obediência universal, com o abandono das coisas do mundo; para aquela entrega grata do tabernáculo, que resulta do desfrute da alma. Se, então, o tempo será aquele que, através dos sete períodos enumerados, retorna ao descanso mais importante, ou aos sete céus, que alguns consideram um acima do outro; ou se também a esfera fixa que faz fronteira com o mundo intelectual é chamada de oitava, a expressão denota que o gnóstico deve surgir da esfera da criação e do pecado. Depois desses sete dias, sacrifícios são oferecidos pelos pecados. Pois ainda há medo de mudança e toca o sétimo círculo. O justo Jó diz: "Nu saí do ventre de minha mãe e nu voltarei para lá"; não nu de posses, pois isso era uma coisa trivial e comum; mas, como um homem justo, ele se afasta do mal e do pecado, e da forma desagradável que segue aqueles que levaram vidas ruins. Pois isto foi o que foi dito: "A menos que sejais convertidos e tornai-vos como filhos", puro em carne, santo em alma pela abstinência de más ações; mostrando que Ele quer que fôssemos como Ele também nos gerou de nossa mãe - a água. Pois a intenção de uma geração suceder a outra é imortalizar pelo progresso. "Mas a lâmpada do ímpio será apagada." Aquela pureza de corpo e alma que o gnóstico compartilha, o sábio Moisés indicou, empregando a repetição na descrição da incorruptibilidade do corpo e da alma na pessoa de Rebeca, assim: "Agora a virgem era bela, e o homem não tinha conhecia ela ". E Rebecca, interpretada, significa "glória de Deus"; e a glória de Deus é imortalidade. Isto é, na realidade, justiça, não desejar outras coisas, mas ser inteiramente o templo consagrado do Senhor. A justiça é a paz da vida e um estado bem condicionado, ao qual o Senhor a dispensou quando disse: "Parta para a paz". Para Salem é, por interpretação, paz; da qual nosso Salvador está inscrito Rei, como Moisés diz, Melquisedeque, rei de Salém, sacerdote do Deus Altíssimo, que deu pão e vinho, fornecendo alimento consagrado para um tipo da Eucaristia. E Melquisedeque é interpretado como "rei justo"; e o nome é sinônimo de justiça e paz. Basilides, no entanto, supõe que a justiça e sua filha, a paz, permaneçam estacionadas na oitava esfera.

Mas precisamos passar da física para a ética, que são mais claras; pois o discurso sobre estes seguirá depois do tratado em mãos. O próprio Salvador, então, claramente nos inicia nos mistérios, de acordo com as palavras da tragédia: "Vendo aqueles que vêem, ele também dá as orgias".

E se você perguntar: "Essas orgias, qual é a natureza delas?"

Você ouvirá novamente: "É proibido aos mortais não iniciados nos ritos Báquicos saberem".

E se alguém perguntar com curiosidade o que são, ouça: "Não é lícito ouvi-lo, mas vale a pena conhecer; os ritos do Deus detestam quem pratica a impiedade".

Agora Deus, que não tem começo, é o começo perfeito do universo e o produtor do começo. Como, então, Ele está sendo, Ele é o primeiro princípio do departamento de ação, como Ele é bom, da moral; como Ele é mente, por outro lado, Ele é o primeiro princípio do raciocínio e do juízo. Daí também somente Ele é o Mestre, que é o único Filho do Pai Altíssimo, o Instrutor dos homens.

Capítulo XXVI - Como o homem perfeito trata o corpo e as coisas do mundo.

Aqueles, então, que atropelaram a existência criada e difamam o corpo estão errados; não considerando que a estrutura do homem foi formada ereta para a contemplação do céu, e que a organização dos sentidos tende ao conhecimento; e que os membros e partes são arranjados para o bem, não por prazer. De onde esta morada se torna receptiva à alma que é mais preciosa para Deus; e é dignificado com o Espírito Santo através da santificação da alma e do corpo, aperfeiçoado com a perfeição do Salvador. E a sucessão das três virtudes é encontrada no gnóstico, que moralmente, fisicamente e logicamente ocupa a si mesmo com Deus. Pois a sabedoria é o conhecimento das coisas divinas e humanas; e a justiça é a concordância das partes da alma; e a santidade é o serviço de Deus. Mas se alguém dissesse que ele menosprezou a carne e a geração por causa disso, citando Isaías, que diz: “Toda a carne é erva, e toda a glória do homem como a flor da erva: a erva seca, e a flor caiu, mas a palavra do Senhor dura para sempre: "ouça o Espírito, interpretando o assunto em questão por Jeremias", e os espalhei como varetas secas, que são feitas para voar pelo vento para o deserto. Esta é a sorte e porção da tua desobediência, diz o Senhor: Como me esqueceste, e confiaste em mentiras, assim descobrirás as tuas partes posteriores na tua face, e a tua desgraça será vista, o teu adultério e o teu reino. ," e assim por diante. Pois "a flor da erva" e "andar segundo a carne" e "ser carnal", segundo o apóstolo, são os que estão em seus pecados. A alma do homem é confessadamente a melhor parte do homem e o corpo o inferior. Mas nem a alma é boa por natureza, nem, por outro lado, o corpo é mau por natureza. Nem é isso que não é bom de imediato. Pois há coisas que ocupam um lugar intermediário, e entre elas estão as coisas a serem preferidas e as coisas a serem rejeitadas. A constituição do homem, então, que tem seu lugar entre as coisas de sentido, era necessariamente composta de coisas diversas, mas não opostas - corpo e alma.

Sempre, portanto, as boas ações, como melhor, se apegam ao espírito melhor e governante; e ações voluptuosas e pecaminosas são atribuídas ao pior, ao pecador.

Agora a alma do homem sábio e gnóstico, como permanecendo no corpo, conduz-se a ela gravemente e respeitosamente, não com afeições desordenadas, como prestes a deixar o tabernáculo se o tempo de partida convocar. "Sou um estranho na terra e um peregrino com você", diz-se. E, portanto, Basilides diz que ele percebe que as eleições são estranhas ao mundo, sendo supramundano por natureza. Mas este não é o caso. Porque todas as coisas são de um só Deus. E ninguém é um estranho para o mundo por natureza, sua essência sendo uma e Deus uma. Mas o homem eleito habita como um peregrino, sabendo que todas as coisas devem ser possuídas e descartadas; e ele faz uso das coisas que os pitagóricos fazem para ser as triplas coisas boas. O corpo, também, como alguém enviado em uma peregrinação distante, usa, pelo caminho, hospedarias e moradas, cuidando das coisas do mundo, dos lugares onde ele pára; mas deixando sua morada e propriedade sem emoção excessiva; prontamente seguindo-o que o leva para longe da vida; de nenhuma maneira e em nenhuma ocasião voltando atrás; dando graças por sua permanência, e abençoando [Deus] por sua partida, abraçando a mansão que está no céu "Pois sabemos que, se a casa terrena de nosso tabernáculo for dissolvida, temos um edifício de Deus, uma casa não feita com as mãos, eternas nos céus, porque nós, os que estamos neste tabernáculo, gememos, desejando ser vestidos com a nossa casa que vem do céu; se, estando vestidos, não formos achados nus. como o apóstolo diz; andar pela fé, não "e estamos dispostos a estar ausentes do corpo e presentes com Deus". O melhor é em comparação. E comparação obtém no caso de coisas que se enquadram semelhança; como o homem mais valente é mais valente entre os valentes e mais valente entre os covardes. De onde ele acrescenta: "Portanto, nós nos esforçamos, presentes ou ausentes, para sermos aceitos com Ele", isto é, Deus, cuja obra e criação são todas as coisas, tanto o mundo quanto as coisas supramundanas. Eu admiro Epicharmus, que claramente diz: "Dotado de mente piedosa, você não morrerá, sofra de mal algum. O espírito habitará no céu acima"; e o menestrel que canta: "As almas dos ímpios voam por baixo dos céus da Terra, em dores assassinas sob jugos inevitáveis ​​de males; mas os dos piedosos habitam nos céus, Hymning em canções o Grande, o Abençoado".

A alma não é então enviada do céu para o que é pior. Pois Deus trabalha todas as coisas para o que é melhor. Mas a alma que escolheu a melhor vida - a vida que é de Deus e a justiça - troca a terra pelo céu. Com razão, portanto, Jó, que havia atingido o conhecimento, disse: "Agora eu sei que tu podes fazer todas as coisas; e nada é impossível a Ti. Pois quem me diz do que eu não sei, grandes e maravilhosas coisas com as quais eu estava E eu me senti desprezível, considerando-me terra e cinzas ". Pois aquele que, estando em estado de ignorância, é pecador, "é terra e cinzas", enquanto aquele que está em estado de conhecimento, sendo assimilado até onde for possível a Deus, já é espiritual e, portanto, eleito. E que a Escritura chama a "terra" sem sentido e desobediente, será esclarecido por Jeremias, o profeta, dizendo, em referência a Joaquim e seus irmãos "Terra, terra, ouve a palavra do Senhor; Escreve este homem, como homem excomungado. " E outro profeta diz novamente: "Ouve, ó céu, e dá ouvidos, ó terra", chamando entendimento de "ouvido", e a alma do gnóstico, a do homem que se aplicou à contemplação do céu e das coisas divinas, e assim se tornou um israelita, "céu". Pois novamente ele chama aquele que fez da sua ignorância e dureza de coração sua escolha, “terra”. E a expressão “dê ouvidos” ele deriva dos “órgãos da audição, os ouvidos”, atribuindo coisas carnais àqueles que se apegam às coisas. de sentido. Tais são aqueles de quem o profeta Miquéias diz: "Ouvi a palavra do Senhor, povos que habitam com angústias." E Abraão disse: "De maneira nenhuma. O Senhor é Aquele que julga a terra", "visto que aquele que não crê, é", segundo a declaração do Salvador, "já condenado". E está escrito nos Reis o julgamento e a sentença do Senhor, que se coloca assim: "O Senhor ouve os justos, mas os ímpios não salvam, porque não desejam conhecer a Deus". Pois o Todo-Poderoso não realizará o que é absurdo. O que as heresias dizem a esta declaração, vendo a Escritura proclamar que o Deus Todo-Poderoso é bom, e não o autor do mal e do mal, se de fato a ignorância surge de alguém que não sabe? Mas Deus não faz nada de absurdo. "Para este Deus", é dito, "é o nosso Deus, e não há ninguém para salvar além Dele". "Pois não há injustiça com Deus", segundo o apóstolo. E claramente ainda o profeta ensina a vontade de Deus, e a proficiência gnóstica, nestas palavras: "E agora, Israel, o que o Senhor Deus requer de ti, mas temer ao Senhor teu Deus, e andar em todos os seus caminhos, e amá-lo, e servi-lo sozinho? " Ele te pede, que tens o poder de escolher a salvação. O que é, então, que os pitagóricos querem dizer quando nos pedem "ore com a voz"? Como me parece, não que achassem que a Divindade não podia ouvir os que falam em silêncio, mas porque desejavam que as orações fossem certas, o que ninguém se envergonharia de fazer no conhecimento de muitos. No entanto, devemos tratar da oração no devido tempo. Mas devemos ter obras que clamam em voz alta, como se tornar "aqueles que andam durante o dia". "Brilhem as tuas obras", e contemple um homem e suas obras diante de sua face. "Pois eis que Deus e Suas obras." Pois o gnóstico deve, tanto quanto possível, imitar a Deus. E os poetas chamam os eleitos em suas páginas divinos e deuses, e iguais aos deuses, e iguais em sagacidade a Zeus, e tendo conselhos como os deuses, e assemelhando-se aos deuses, - mordiscando, como me parece, a expressão "à imagem e semelhança".

Eurípides diz: "Asas douradas estão em minhas costas, e eu estou calçada com as sandálias aladas das sereias; e eu vou para o grande éter, para me reunir convosco com Zeus."

Mas eu vou orar o Espírito de Cristo para me levar para a minha Jerusalém. Pois os estóicos dizem que o céu é propriamente uma cidade, mas lugares aqui na terra não são cidades; porque eles são chamados assim, mas não são. Pois uma cidade é uma coisa importante, e as pessoas um corpo decoroso, e uma multidão de homens regulados pela lei como a igreja pela palavra - uma cidade na terra inexpugnável - livre da tirania; um produto da vontade divina na terra como no céu. Imagens desta cidade que os poetas criam com sua caneta. Pois os hiperbóreos e as cidades de Arimaspia e as planícies elysianas são comunidades de homens justos. E nós conhecemos a cidade de Platão como um padrão no céu.

Compartilhar

 
  •  
    Ocorreu um erro neste gadget

    ROLE O BANNER E CLIQUE NO ASSUNTO DESEJADO

    >
    > >